“Não despendi nem um real em favor das vítimas. Meus bens foram todos bloqueados”, afirma sócio da Kiss

Mauro Londero Hoffmann foi o terceiro réu interrogado no júri do caso Kiss. O empresário informou que, do pouco mais de 1 ano em que atuou efetivamente como sócio de Elissandro Callegaro Spohr (Kiko) na Boate Kiss, seu papel foi apenas de investidor. Kiko era o sócio administrador e quem tomava todas as decisões. “Ele era o Kiko da Kiss. A minha mãe não sabia que eu era sócio da Kiss. Eu não me sentia dono, eu era sócio”.

Mauro também era proprietário de um restaurante e de uma lancheria. A Boate Kiss surge na noite santamariense em 2009. Elissandro Callegaro Spohr também era músico e tocava na Absinto. Era um jovem comunicativo. Quando Kiko assumiu o comando da Kiss, a boate passa a fazer sucesso. Nessa época, Mauro teve um problema com o local onde a Absinto funcionava e surgiram propostas dele se associar à Kiss e à Ballare (outra boate concorrente). “Optei pela Kiss, pela parte estrutural, mas, principalmente, porque eu não tinha tempo para nada. E lá eu não precisaria me envolver. Kiko seria o sócio administrador”.

Ele costumava ir na Kiss nas quintas-feiras. Semanalmente se reunia com Kiko e Ângela Spohr (uma das gerentes da casa) sobre demandas de ordem financeira do estabelecimento. “Todo e qualquer fato administrativo da boate eu não fazia parte. Eu não tinha nem a chave da Boate Kiss”. Havia um grupo de trabalho formado por dirigentes e funcionários, no Facebook, e Mauro não fazia parte. O investimento rendia em torno de R$ 15 mil mensais a ele.

A banda Gurizada Fandangueira já tocou na Absinto Hall. Mas, de acordo com o relato do réu, “nunca constou em contrato nenhum que a banda fazia uso de fogos de artifício”. Falou sobre algumas regras que a casa tinha durante as apresentações musicais, como não tocar hino de time de futebol, e que não fazer uso desses recursos também era uma dessas condições.

Quando soube do incêndio, Mauro correu para a boate. Os táxis estacionados em frente atrapalharam a saída, na avaliação do empresário, mas eles também ajudaram no transporte das vítimas. Esse pode ter sido o motivo de tantas vítimas fatais encontradas nos banheiros. “Porque não conseguiam sair”.

“Era cena de horror”, definiu. “As pessoas ainda saíam vivas de lá. Pouco tempo depois, a gente tomou a proporção (da gravidade dos fatos)”.

Mauro lembra que ficou no local até por volta das 5 horas de domingo e que se apresentou na Delegacia de Polícia posteriomente.

Mauro contou sobre a vida que leva pós tragédia.  “Tive que fugir com a minha família, pois, nas redes sociais, diziam que iam queimar a nossa casa”. De acordo com o empresário, até funcionários seus foram ameaçados. “Sempre tive vontade de ajudar (as famílias). Aqui só temos perdedor. Ninguém ganhou nada”.

Sobre ajuda às vítimas Mauro Londero Hoffmann disse que não teve a oportunidade. “Não despendi nem um real em favor das vítimas. Não porque eu não quis. Meus bens foram todos bloqueados. Meus negócios foram todos fechados”, diz sócio da Kiss.concluiu.

Você pode gostar também
  • https://cast.youngtech.radio.br/radio/8070/radio
  • https://jornalboavista.com.br/radioculturafm/
  • Rádio Cultura Fm - 105.9 Erechim - RS