Nos próximos dias será lançado edital do novo presídio de Erechim

Projeto-piloto no país tem como premissa educação e trabalho, terá capacidade para 1,2 mil vagas, em dois blocos de regime fechado, com 600 vagas cada e investimentos que ultrapassam os R$ 142 milhões

O prefeito de Erechim, Paulo Polis, e o secretário de Governança e Gestão, Edgar Marmentini, e o vereador, João Francisco Coimbra Parenti (Fifo), realizaram, hoje (7), uma reunião com o secretário extraordinário de Parcerias do Estado, Leonardo Busatto, e o diretor, Rafael Ramos, em Porto Alegre, para falar sobre a nova estrutura prisional em Erechim. A novidade é que até o próximo dia 18 deve ser lançado o edital de licitação deste projeto que pretende ser modelo para todo o Brasil.

Conforme o prefeito, Paulo Polis, apesar de ser um assunto muito complexo, a administração municipal não pode esquecer dele porque afeta diretamente a segurança dos erechinenses.

“Não há mais condições de manter o presídio na área central do município, porque está com problemas estruturais constantes, já foi interditado parcialmente, tem superlotação, situações que comprometem muito a segurança da população”, afirma o prefeito Paulo Polis.

Segundo o prefeito, a proposta para efetivar o novo presídio será via parceria público-privada (PPP), a estrutura prisional terá capacidade para 1,2 mil vagas, em dois blocos de regime fechado, com 600 vagas cada, e investimentos que ultrapassam os R$ 142 milhões.

O objetivo deste projeto, comenta o prefeito Paulo Polis, é buscar a efetiva ressocialização dos apenados, melhores condições de detenção, para quem está privado de liberdade possa ser um cidadão produtivo novamente. “O novo modelo de complexo prisional de Erechim será o primeiro do Brasil que tem como premissas básicas a educação e o trabalho”, observa.

Por que Erechim?

Entre as justificativas apresentadas na audiência pública estão as ações judiciais, uma delas, ajuizada pelo Ministério Público do RS contra o Estado do Rio Grande do Sul, iniciada a partir do desmoronamento do muro do presídio estadual de Erechim, em janeiro de 2019, resultando na interdição do pátio e ocasionando riscos de novos desabamentos em outros setores do prédio, colocando em perigo a vida de apenados, servidores e visitantes.

Outra justificativa é que a unidade prisional de Erechim se encontra superlotada e necessita de ampliação, já que tem capacidade para 239 pessoas presas, e em maio do ano passado abrigava 512 presos, assim, com 273 presos além da sua capacidade. Além disso, pela proximidade com Santa Catarina e por pertencer a uma região com vocação para o trabalho prisional. A escolha de Erechim se deu, também, em função de um acordo numa Ação Civil Pública que questionava as condições atuais do estabelecimento prisional.

Por Assessoria de Comunicação 

Você pode gostar também
  • https://cast.youngtech.radio.br/radio/8070/radio
  • https://jornalboavista.com.br/radioculturafm/
  • Rádio Cultura Fm - 105.9 Erechim - RS