Tucanos, passarinho

O principal capital de um político são os seus votos – que podem ser conquistados graças a propostas, caráter, passado, poder/dinheiro, atuação. É o voto na urna que garante, em última análise, a sobrevivência de homens e mulheres que escolhem a vida pública como ofício.
Desta forma, numa rápida passada de olho na lista de vereadores eleitos e suplentes de Erechim em 2016, cabe uma observação: estaria o PSDB tratando ‘bem’ as suas principais ‘estrelas’ (a exceção, claro, do prefeito Schmidt)?
Digo isso por que os dois (jovens) vereadores eleitos pela sigla, Renan Soccol (1.120 votos) e Emerson Schelski (983 votos), parecem – ao menos de longe – ter menos voz no governo tucano do que detentores de ‘zero’ votos, como o secretário de Planejamento Camargo (PR) ou o secretário de Administração Valdir Farina, que parecem estar no cargo por suas respectivas ‘qualidades’ e, ou, amizades.
Indo um pouco além, temos os suplentes Vini Anziliero, 512 votos (presentado com a até então ineficiente pasta de Obras) e Claudio Silveira, do PDT, que fez minguados 439 votos e hoje é o dono do Meio Ambiente municipal.
Concordo que o posto de CC deva, como o nome diz, ser preenchido por pessoas de confiança do mandatário maior (competentes, de preferência), mas, caso queira manter o poder em solo bota-amarela em 2020, os partidários de Aécio Neves, FHC, Alckmin, Marchezan, Eduardo Leite e Schmidt deveriam olhar com mais cuidado para quem tem futuro, capacidade – e votos.
Do contrário, alguns tucanos passarão; outros, passarinho.

 

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais