Encenação da Paixão de Cristo no Bairro São Vicente de Paulo contempla Campanha da Fraternidade

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Com roteiro de Joemir Maria Camargo Rosset, professora aposentada, mãe de sete filhos, o Grupo Geração Arte do Bairro São Vicente de Paulo de Erechim, como faz há 39 anos, encenou a Paixão e Morte de Cristo na manhã desta Sexta-feira Santa, contemplando a temática da Campanha da Fraternidade, a superação da violência. Em 10 cenas, o grupo representou Judas debatendo-se em dúvidas sobre a traição de seu Mestre Jesus e a prisão do mesmo, o interrogatório diante de Caifás, o Sumo Sacerdote daquele ano; Jesus diante de Pilatos que considera Jesus inocente, mas cede à pressão das autoridades judaicas políticas e religiosas, lava as mãos e o entrega para ser crucificado; o enforcamento de Judas; a primeira queda de Jesus e a ajuda de Simão de Cirene; cenas de violência contemplando o tema da Campanha da Fraternidade deste ano; a segunda queda de Jesus e o conforto de Verônica que lhe enxuga o rosto rompendo a barreira dos soldados; o encontro de Jesus com as mulheres que choram por ele; a terceira queda e finalmente a crucificação.

Para cada cena, o roteiro apresentava pertinentes aproximações com a realidade atual. Mencionando a traição de Judas por trinta moedas, o texto enfatizou que hoje a violência consome vidas com as moedas da impunidade. Para expressar melhor as mortes de crianças, de jovens, de pais e mães de família, pessoas carregaram diversas cruzes. Em relação específica à violência em nosso país, que tira a vida de tantas pessoas, foram lidas diversas manchetes de assassinatos com pessoas estendidas como mortas num dos palcos ao longo do caminho. Neste quadro, o narrador pediu a Cristo que liberte este mundo do veneno do mal da violência, da intolerância e do ódio que polui a consciência das pessoas. Quando Simão de Cirene foi forçado a ajudar a Cristo a carregar a cruz, foi lembrada a atual cultura da indiferença, com falta de solidariedade.  No momento em que Verônica enxuga o rosto de Jesus, o texto dizia: a ternura feminina daquela mulher ameniza a crueldade e acolhe, no coração e no manto, o rosto misericordioso de Deus, declarando que atualmente a violência desfigura o rosto de tantos irmãos e irmãs que gemem e clamam por gestos de compaixão e cuidado. Referindo-se ao choro das mulheres por Jesus, foi lembrado que o pranto delas são as lágrimas que correm na face deste mundo. O comentário do momento em que Maria acolhe o corpo de Jesus descido da cruz ressalta: Maria recebe seu filho e suas lágrimas se misturam ao sangue dele. Ela é a mãe que une suas dores às dores de muitas mães que choram por seus filhos, vítimas da violência. Com o corpo do filho em seus braços, ela diz: choro as dores do meu Senhor. O que mais me faz chorar é que as pessoas por quem tanto sofre, vivem esquecidas dele.

Pe. Paulo Bernardi, Pároco da Paróquia São Pedro à qual pertence o Bairro São Vicente de Paulo, acompanhou toda a encenação com diversas intervenções. No final, ressaltou e agradeceu o esforço do grupo de teatro e motivou a todos para a participação intensa nas celebrações do Tríduo Pascal e a testemunharem sua fé na convivência fraterna e solidária.

 

Get real time updates directly on you device, subscribe now.