Região em alerta: casos ativos de coronavírus aumentam em aproximadamente 85%

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

O Comitê Regional de Atenção ao Coronavírus da AMAU – Associação de Municípios do Alto Uruguai tem monitorado de forma permanente a Região 16, que compreende 32 municípios, mais as cidades de Rio dos Índios e Nonoai, com população estimada de 240 mil habitantes.

CASOS ATIVOS REGIÃO 16

O primeiro caso confirmado da Covid na R 16 ocorreu em meados de março e nesse hiato de tempo, decorridos aproximadamente oito meses, ocorreram oscilações nos indicadores regionais.

Com relação aos casos ativos, alvo dessa análise, verificamos que em 14/05 a região apresentava 39 casos ativos. Os números ascenderam e, em 22/07, o indicador apontava 543 casos ativos (maior número de casos registrados).

Dessa data em diante os indicadores começaram a dar sinais de descida chegando, em 14/10, em, apenas, 48 casos. Agora, a partir dessa data, verificamos uma mudança na curva, que deixa de ser descendente e volta a dar sinais de avanço. Estávamos em 21/10 com 69 ativos e hoje a R16 apresenta 128 casos ativos, num aumento de 85,5%, observando as últimas quatro avaliações.

AVALIAÇÃO

Observando o gráfico acima, verificamos que estamos percebendo um aumento dos casos ativos. Chegamos a um patamar muito baixo de casos ativos em 14/10, porém, infelizmente, nossos indicadores começam a sinalizar a possibilidade de elevação desse quantitativo.

Face a essa situação observada no último boletim regional (28/10), com a presença de 128 casos na R16, o Comitê Regional de Atenção Coronvaírus da AMAU vai realizar uma reunião extraordinária, nessa sexta, 30, às 8 horas, para avaliar a situação e traçar novas ações de enfrentamento.

“Percebemos que a situação vem se alterando, fato já verificado em outros países e estados, com o surgimento da chamada segunda onda. Temos que estar com os pés no chão, observando os movimentos do coronavírus no mundo, país e região afora. Soubemos que é temido, traiçoeiro e com alto poder de disseminação e com poder de letalidade, por essa razão não podemos, em hipótese alguma, achar que a situação passou ou está equacionada. Não podemos cometer o equívoco de perder o que conquistamos com o esforço e trabalho da comunidade regional, e verificamos, pelos fatos, que existe um certo relaxamento por parte da população”, pontua Arpini.

Percebemos que o que era prática diária e corriqueira (protocolos de prevenção), hoje está sendo negligenciada, o que é extremamente preocupante quando nos referimos ao coronavírus.

Exemplos e números nos colocam numa situação de alerta. Locais que estavam com a situação controlada voltaram a ter números expressivos e, esses fatos nos remetem a pensar estratégias para minimizar o efeito da segunda onda. Precisamos nos antecipar, argumenta Arpini.

Prevenir, prevenir e prevenir é a melhor forma de enfrentamento, ressalta Arpini.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais