Emater/RS-Ascar promove palestra sobre Rastreabilidade

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

A rastreabilidade na cadeia produtiva de produtos vegetais frescos destinados à alimentação humana foi tema de palestra ministrada pelo engenheiro agrônomo e extensionista do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Cezar da Rosa, nesta quinta-feira (29/10), na Câmara de Vereadores, para um grupo de produtores de São Valentim.

Rosa abordou um conjunto de normas da legislação envolvendo as Normativas nº 2, de 7 fevereiro de 2018, e nº 1, de 15 de abril de 2019, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que definem os procedimentos para a aplicação da rastreabilidade ao longo da cadeia produtiva de produtos vegetais frescos destinados à alimentação humana, para fins de monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos em todo o território nacional.

As normativas norteiam um conjunto de procedimentos que permitem detectar a origem e acompanhar a movimentação de um produto desta cadeia produtiva, através de documentos registrados para identificar o produto, de onde veio e para onde segue. Dentre estes documentos estão o caderno de campo, por exemplo, no qual o produto faz estes apontamentos. O extensionista detalhou o Sistema de Rastreabilidade de Produtos Vegetais Frescos (Sisrast) desenvolvido pela Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e disponível aos produtores para o cadastro. Também observou que o produtor deve fazer anotações no Caderno de campo. A legislação envolve grupos de frutas; raízes; tubérculos e bulbos; hortaliças folhosas e ervas aromáticas frescas; e hortaliças não folhosas.

Cassiano Sarabio, assistido da Emater/RS-Ascar que usou o Sirast acredita que a legislação vai ajudar o produtor. “Para nós a rastreabilidade é uma forma de dar mais segurança para o consumidor. Além de ser uma maneira de proteger a nós e ao consumidor”, avaliou. Ele acredita que as exigências com a procedência do produto, através da rastreabilidade irão ajudar ainda o agricultor a conquistar novos mercados. Também participaram da reunião os

extensionistas do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de São Valentim, Delmir Nadal e Silval Goulart.

De acordo com Cezar da Rosa, várias palestras com orientações voltadas à legislação de rastreabilidade já foram realizadas para produtores da região do Alto Uruguai.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.