Emater/RS-Ascar promove palestra sobre Rastreabilidade

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

A rastreabilidade na cadeia produtiva de produtos vegetais frescos destinados à alimentação humana foi tema de palestra ministrada pelo engenheiro agrônomo e extensionista do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Cezar da Rosa, nesta quinta-feira (29/10), na Câmara de Vereadores, para um grupo de produtores de São Valentim.

Rosa abordou um conjunto de normas da legislação envolvendo as Normativas nº 2, de 7 fevereiro de 2018, e nº 1, de 15 de abril de 2019, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que definem os procedimentos para a aplicação da rastreabilidade ao longo da cadeia produtiva de produtos vegetais frescos destinados à alimentação humana, para fins de monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos em todo o território nacional.

As normativas norteiam um conjunto de procedimentos que permitem detectar a origem e acompanhar a movimentação de um produto desta cadeia produtiva, através de documentos registrados para identificar o produto, de onde veio e para onde segue. Dentre estes documentos estão o caderno de campo, por exemplo, no qual o produto faz estes apontamentos. O extensionista detalhou o Sistema de Rastreabilidade de Produtos Vegetais Frescos (Sisrast) desenvolvido pela Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e disponível aos produtores para o cadastro. Também observou que o produtor deve fazer anotações no Caderno de campo. A legislação envolve grupos de frutas; raízes; tubérculos e bulbos; hortaliças folhosas e ervas aromáticas frescas; e hortaliças não folhosas.

Cassiano Sarabio, assistido da Emater/RS-Ascar que usou o Sirast acredita que a legislação vai ajudar o produtor. “Para nós a rastreabilidade é uma forma de dar mais segurança para o consumidor. Além de ser uma maneira de proteger a nós e ao consumidor”, avaliou. Ele acredita que as exigências com a procedência do produto, através da rastreabilidade irão ajudar ainda o agricultor a conquistar novos mercados. Também participaram da reunião os

extensionistas do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de São Valentim, Delmir Nadal e Silval Goulart.

De acordo com Cezar da Rosa, várias palestras com orientações voltadas à legislação de rastreabilidade já foram realizadas para produtores da região do Alto Uruguai.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais