Eni Scandolara quer a adesão do município ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares

Após amplo debate na Câmara de Veradores de Erechim foi aprovado na tarde da última terça-feira (29), requerimento de autoria da vereadora Eni Maria Scandolara (Progressistas), no qual solicita ao governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite, ao comandante geral da Brigada Militar Cel QOEM Mário Yukio Ikeda, e ao prefeito de Erechim Luiz Francisco Schmidt, a adesão do município ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. O requerimento foi subscrito pelos vereadores Flavinho Barcellos (PDT), Claudemir de Araújo (PTB), Gilson Serafin (PSD), Renan Soccol (PSDB), Emerson Schelski (PSDB), Márcio Pavoni (SB) e Rafael Ayub (MDB).

Na oportunidade, a parlamentar enfatizou que as escolas cívico-militares são instituições não militarizadas, mas com uma equipe de militares da reserva no papel de tutores. Estas escolas têm um desempenho muito acima da média e são um instrumento para a melhoria da educação no país. “De acordo com o Ministério da Educação, os militares atuarão na disciplina dos alunos, no fortalecimento de valores éticos e morais, e na área administrativa, no aprimoramento da infraestrutura e organização da escola e dos estudantes. As questões didático-pedagógicas continuarão atribuições exclusivas dos docentes, sem sobreposição com os militares, e serão respeitadas as funções próprias dos profissionais da educação, que constam na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional”.

Eni salientou que entre as premissas do programa estão a contribuição para a melhoria do ambiente escolar, redução da violência, da evasão e da repetência escolar. “A adesão dos estados e municípios ao programa é voluntária. Os gestores deverão realizar uma consulta pública e a comunidade escolar deve aceitar a mudança. Neste ano, 54 escolas serão contempladas com o programa, em formato piloto, duas em cada unidade da Federação. Os colégios devem ter de 500 a mil alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e/ou médio”.

Através do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares o Governo Federal investirá R$ 1 milhão por escola, para o pagamento dos militares, melhoria da infraestrutura das unidades e material escolar. “Entendemos que por Erechim já ser um polo educacional e também uma referência para os municípios da Região Alto Uruguai, a adesão ao programa, traria inúmeros benefícios para a cidade, para os alunos, para a comunidade escolar e para a instituição de ensino participante do programa. A Escola Cívico-Militar viria para somar e ajudar na educação dos jovens alunos, com uma metodologia diferenciada, resgatando valores e beneficiando toda a comunidade”.

Após a aprovação, Eni Scandolara, que é professora e já ocupou a função de Secretária Municipal de Educação, ressaltou que a iniciativa tem como principal objetivo garantir ao município mais uma modalidade de ensino. “Nossos gestores precisam aproveitar as oportunidades, ainda mais numa área tão importante que é a educação. Foi assim na gestão do prefeito Eloi Zanella quando conquistamos e cedemos a área para a instalação do Instituto Federal e posteriormente na gestão do prefeito Paulo Polis com a vinda da Universidade Federal da Fronteira Sul. Não se trata de apoio a este ou aquele governo, como algumas pessoas insistem em polemizar, mas sim em conquistarmos mais uma modalidade de ensino, que vem dando certo e que é muito disputada nos locais onde já foram implantadas”.

Comentários estão fechados.