Estudante do IFRS é a nova premiada Jovem Cientista do Brasil

Juliana Davoglio Estradioto, é estudante do Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Sul, campus Osório,

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

O descarte e o desperdício de cascas de maracujá talvez não chamem tanto a atenção. O que não é o caso para uma mente ligada em ciências, como a da Juliana Davoglio Estradioto, estudante do 4º ano do curso Técnico em Administração Integrado ao Ensino Médio do IFRS – Campus Osório. Ela é 1ª lugar no Prêmio Jovem Cientista com o trabalho Desenvolvimento de Filme Plástico Biodegradável a partir da Fibra Residual do Maracujá, orientado pela professora Flávia Santos Twardowski Pinto. A pesquisa vem ao encontro da temática “Inovações para Conservação da Natureza e Transformação Social” da 29ª edição da premiação promovida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Com 17 anos de idade, Juliana conquistou o título na categoria Estudante do Ensino Médio e receberá uma bolsa de Iniciação Científica.  Os premiados foram divulgados na manhã deste dia 30 de outubro de 2018. No evento, Juliana, com um sorriso e olhos emocionados, dedicou o primeiro lugar à “sua irmã mais velha” – como brincaram os apresentadores da premiação – a professora Flávia. “Muito legal falar desse projeto. É meu primeiro contato com a ciência. Eu identifiquei esse problema do desperdício e descarte das cascas de maracujá, após a produção de sucos e geleias, na região onde moro. Foi graças ao contato com minha orientadora que eu descobri esse mundo da ciência, uma jornada de descobertas através da pesquisa.”

A estudante também comentou a importância do incentivo à ciência e à pesquisa aos estudantes de Ensino Médio: “A gente vê muitos cientistas antigos em aula, como Einsten e Newton. Mas ninguém da nossa idade. É muito importante um prêmio destes para incentivar gente da nossa idade.”

Prêmio Jovem Cientista

A iniciativa visa revelar talentos, impulsionar a pesquisa no país e investir em estudantes e jovens pesquisadores que procuram inovar na solução dos desafios da sociedade. Instituído em 1981, o prêmio é promovido pelo CNPq, a primeira instituição federal de fomento à ciência, tecnologia e inovação e pioneira na concessão de prêmios no Brasil.

Em dezembro, os jovens cientistas receberão as honrarias pela premiação no Palácio do Planalto.

Fonte: IFRS

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais