Para melhorar experiência das crianças, HC adota Brinquedo Terapêutico

Na assistência à saúde, o brincar deve ser utilizado tanto para cumprir função recreacional quanto terapêutica. Com esta perspectiva, o Hospital de Caridade de Erechim passou a adotar em sua Unidade Pediátrica o Brinquedo Terapêutico.

O sorriso aberto da pequena Sophia de Aguiar, de 2 anos e 4 meses, ao lado dos bonecos Lena e Chico, comprova os benefícios da medida. Mas, não é só ela que se mostra mais tranquila e com bom estado de espírito diante da iniciativa. As avós Olga Michelczuk e Eloisa Pavani também destacam os efeitos do brinquedo no tratamento. Segundo elas, a presença de Lena e Chico deixou Sophia mais relaxada e confortável, além de servir para que a família pudesse conhecer melhor os procedimentos aos quais a neta seria submetida.

Começo, capacitação e efeitos

A utilização do Brinquedo Terapêutico na Unidade de Pediatria do HC teve início há cerca de um mês e partiu de uma iniciativa da enfermeira Cátia Regina Mingotti, que conheceu a experiência durante especialização realizada na Faculdade Pequeno Príncipe, em Curitiba/PR. ‘A proposta vem sendo inserida na prática assistencial às crianças e com ela inúmeros benefícios se consolidam no contexto do cuidado. Apresentei o projeto à gerência assistencial do HC, que prontamente apoiou’, explica Cátia.

Antes da implantação da medida, os profissionais da Pediatria do Hospital de Caridade foram capacitados pela própria Cátia a fim de prestar o melhor atendimentos aos pacientes clínicos e cirúrgicos. ‘Nossa equipe tem utilizado o Brinquedo Terapêutico não apenas como um meio de alívio às questões impostas pela doença, hospitalização ou procedimentos, mas também como uma possibilidade de comunicação pela qual podem dar explicações e por meio do qual podem receber informações  importantes’, resume Cátia.

No total, o HC dispõe de 25 leitos na Unidade Pediátrica, sendo que a dupla Lena e Chico está acessível a todos eles.

Três tipos

O Brinquedo Terapêutico, que obedece à Resolução n. 546/2017 do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), pode ser classificado em três tipos:

– Dramático: que propicia à criança dramatizar experiências novas, difíceis de serem verbalizadas e, tornar-se emocionalmente segura;

– Capacitador de funções fisiológicas: no qual a criança participa de atividades para melhorar seu estado físico por intermédio de brincadeiras que reforçam e envolvem seu próprio cuidado;

– Instrucional ou preparatório: que prepara a criança, por meio de uma brincadeira, para os procedimentos a que será submetida, a fim de promover sua compreensão sobre o tratamento e clarear conceitos errôneos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais