Professor da FAE é um dos organizadores de obra premiada pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil

Divulgar as pesquisas da área da Literatura infantil e juvenil que, de alguma maneira, se aproximam da ideia de emancipação, tão necessária e cara aos estudos literários. Este foi o principal intuito da obra “Literatura de recepção infantil e juvenil: modos de emancipar”, organizada por Fabiano Tadeu Grazioli e Rosemar Eurico Coenga. A obra, que conta com 15 capítulos, recebeu no último dia 24 de maio o Prêmio de melhor obra teórica da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Reconhecida como uma das instituições mais importantes na área da Literatura para crianças e jovens no país, a FNLIJ já havia concedido ao livro o Selo Altamente Recomendável, na categoria teórico. Concorreram ao prêmio todas as obras que haviam recebido o Selo.

Professor de Literatura há mais de 20 anos, Fabiano Tadeu Grazioli, atuante no curso de Pedagogia da Faculdade Anglicana de Erechim (FAE), concluiu o doutorado em Letras pela Universidade de Passo Fundo/RS (UPF) em março deste ano. “A Literatura tem uma contribuição única para dar ao ser humano. Eu dediquei a minha vida a essa contribuição, pois acredito que ela tem potencial de transformar as pessoas e o mundo que nos cerca”, destaca o professor das disciplinas de “Jogo, brinquedo e recreação”, “Literatura infantil” e “Práticas de leitura e formação do leitor”.

A obra foi publicada, editada e lançada pela Habilis Press, editora erechinense que acolheu prontamente a proposta dos organizadores, “mesmo num ano de dificuldades para o mercado editorial”, pontua Grazioli. O professor da FAE explica que conceber a Literatura como forma de emancipação significa compreender que a Literatura possui um caráter transformador que age desde cedo no indivíduo, tornando-o capaz de pensar por conta própria e, num estágio posterior, quando em ocasiões específicas, agir na sociedade.

“No campo de estudos da Estética da Recepção, de onde pegamos a expressão ‘emancipar’ do título emprestada, a emancipação é um processo decorrente do encontro do horizonte de produção da obra literária, ou seja, o do autor, com o horizonte de expectativas do leitor. Desse processo, o segundo sai transformado, pois a tendência é que seu conhecimento sobre a vida e sobre o mundo seja ampliado pela obra”, justifica.

No livro em questão, os capítulos, direta ou indiretamente, tratam dessa possibilidade de a obra literária fazer valer o seu potencial de emancipar o leitor. No trabalho constante de aplicar o resultado dos estudos em sala, o professor complementa que há uma direção única para a qual a pesquisa e o ensino apontam, “deste modo, pensar a emancipação do ser humano é um dos objetivos das disciplinas que ministro. E nesse sentido, elas se encontram com o que procuramos evidenciar, eu, o colega organizador, os autores e os editores, com a publicação desta obra”, finaliza.

Os capítulos e seus autores:

Apresentação (Fabiano Tadeu Grazioli e Rosemar Eurico Coenga)

01 – O território da semiosis: a palavra literária dirigida às crianças (Marisa Martins Gama-Khalil)

02 – Estreitos da sociologia da leitura para os jovens leitores: a recepção (Alexandre Leidens e Maurício Cesar Menon)

03 – A questão da linguagem na literatura infantojuvenil (Maria Teresa Gonçalves Pereira)

04 – O patinho feio para crianças contemporâneas: análise de adaptações em livros impressos e digitais (Rosa Maria Hessel Silveira, Edgar Roberto Kirchof e Iara Tatiana Bonin)

05 – Edward Tulane no País das Maravilhas: uma análise comparativa (Fabiane Verardi Burlamaque e Ronaldo José Jappe)

06 – Reescritura metaficcional dos contos de fadas em O outro lado da história, de Rosana Rios (Vanessa Gomes Franca, Edilson Alves de Souza e Flávio Pereira Camargo)

07 – Manuel de Barros para crianças? (Rodrigo da Costa Araujo)

08 – Gritos no quintal: a produção infantil em Mato Grosso – As meninas e o sábia, de Maria da Graça Campos (Epaminondas de Matos Magalhães)

09 – A pele da mulher velha: um mito nambiquara (Rosana Campos Leite Mendes e Anna Maria Ribeiro F. M. da Costa)

10 – Sobre a formação da literatura juvenil brasileira: as edições de A ilha perdida, de Maria José Dupré (Fernando Rodrigues de Oliveira)

11 – Literatura e quadrinhos: O Alienista, de Machado de Assim, para o leitor jovem (Eloilma Carvalho Pires e Diógenes Buenos Aires de Carvalho)

12 – A poesia infantil e juvenil de Cecília Meireles no livro didático: constatações de proposições para o ensino de literatura (Raquel Souza da Silva, Renata Junqueira de Souza e Daniela Maria Segabinazi)

13 – Pesquisas qualitativas e estudos sobre letramento: o estado da arte (Rosemar Eurico Coenga e Fabiano Tadeu Grazioli)

14 – Espaços de leitura na escola: entre a mediação e a provocação (Chirley Domingues e Eliane Santana Dias Debus)

15 – A arte de ensinar a contar, cantar e ler histórias para e com crianças: uma experiência estético-formativa (Bárbara Cortella Pereira de Oliveira e Nilza Cristina Gomes de Araújo)

Os organizadores:

– Rosemar é Doutor em Teoria Literária e Literaturas pela Universidade de Brasília (UnB), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino IFMT-UNIC/MT.

– Fabiano Doutor e Mestre em Letras pela na Universidade de Passo Fundo/RS (UPF), Especialista em Metodologia do Ensino da literatura e Licenciado em Letras Português/Espanhol pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI). Professor do Departamento de Ciências Humanas da URI, da Faculdade Anglicana de Erechim/RS (FAE) e do Colégio Franciscano São José.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais