A cada 2,6 casamentos, Erechim registra 1 divórcio

Salus Loch

Se o erechinense está casando mais – o ano de 2015 registrou número recorde de casamentos na Capital da Amizade, com 488 matrimônios selados no período (1,33 por dia) – o bota-amarela também está se divorciando com mais facilidade.

De 2004 até 2015, conforme o IBGE, foram registrados 5.013 casamentos contra 1.913 divórcios (judiciais ou, desde 2008, por escritura pública) – numa média de 1 divórcio para cada 2,6 ‘os declaro marido e mulher’.

Em 2015, foram 246 desenlaces – seja via judicial ou por escritura pública (no Tabelionato de Notas); número, no entanto, inferior a 2014 – ano ‘campeão’ de separações no município, quando só em divórcios judiciais foram registrados 249 casos (10 vezes mais do que em 2005, por exemplo).

O IBGE começou a coletar informações sobre divórcios em 1984. Nesses 30 anos, em termo de Brasil, o número passou de 30,8 mil para 341,1 mil – comprovando que o fenômeno das separações não é exclusividade do erechinense.

O divórcio, aliás, ganha força desde 2010, com o fim da necessidade de separação prévia do casal (ou seja, quem quer desfazer o casamento passou a poder se divorciar a qualquer momento, extinguindo-se os prazos que eram obrigatórios para dar entrada no pedido). Em Erechim, em 2009, ano anterior à entrada em vigor da nova regra, haviam sido registrados apenas 33 divórcios judiciais e 40 por escritura pública; número que saltou para 137 e 86, respectivamente – 3,1 vezes mais.

A facilitação do divórcio também elevou a estatística de novos casamentos, pois as pessoas passaram a ficar livres para novas uniões mais rapidamente.

Numa tendência que acompanha a dos países desenvolvidos, os brasileiros, em geral, também estão esperando mais para se casar. A idade média dos homens na data das núpcias passou de 27 para 30 anos e a das mulheres, de 23 para 27, na comparação entre 1974 e 2014. O quadro, do jornal Boa Vista traz a série histórica de casamentos e separações registrados em Erechim de 2004 a 2015:

 

Uniões homoafetivas ganham espaço no país

Outro dado que chama a atenção é o número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo – estatística disposta, apenas, em nível estadual. Entre 2013 e 2014, por exemplo, estes números registraram alta de 31,2% no Brasil – chegando a 41% no Rio Grande do Sul (212 registros em 2014, contra 150, em 2013). Outro dado que chama a atenção é o número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo – estatística disposta, apenas, em nível estadual. Entre 2013 e 2014, por exemplo, estes números registraram alta de 31,2% no Brasil – chegando a 41% no Rio Grande do Sul (212 registros em 2014, contra 150, em 2013). No total, o Brasil registrou 1.153 uniões homoafetivas a mais entre 2013 e 2014, num total de 4.854 – 50,3% entre cônjuges do sexo feminino e 49,7%, do masculino.

A maior concentração de casamentos gays se deu no Sudeste (60,7%); a menor, no Norte (3,4%). São Paulo foi o Estado campeão, com 69,9% do total do Sudeste e 42,2% do total dos registros do Brasil.

O crescimento dos registros se deu na esteira da aprovação, pelo Conselho Nacional de Justiça, em maio de 2013, da resolução que obriga os cartórios a celebrar o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo e a converter a união estável homoafetiva em casamento. Dois anos antes, o Supremo Tribunal Federal já havia equiparado a união homossexual à heterossexual. Os casamentos gays representaram 0,4% do total de 1,1 milhão de casamentos no Brasil em 2014.

Ilustração

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais