Fecomércio-RS e Sindilojas Alto Uruguai comemoram linha de crédito especial para micro e pequenas empresas

O Senado aprovou, na última sexta-feira, 24 de abril, por unanimidade o projeto de lei que concede linha de crédito especial para micro e pequenas empresas que solicitarem empréstimos com objetivo de viabilizar sua sobrevivência, e consequente manutenção dos empregos, durante a crise econômica gerada pelo combate a COVID-19. O Sindilojas Alto Uruguai comemora a aprovação, enaltecendo o papel da Fecomércio-RS que atuou desde o início da tramitação no Senado Federal e na Câmara dos Deputados. A entidade contou com o apoio dos sindicatos empresariais filiados através da Renalegis estadual, uma rede de monitoramento e posicionamento parlamentar mantida pela mesma.

Para o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, a aprovação do PL 1.282/2020 é uma vitória importante para o setor. “Atuamos desde o início levando o posicionamento da entidade para os parlamentares gaúchos no Congresso Nacional e motivamos os sindicatos parceiros para acionarem deputados e senadores de suas regiões. O resultado dessa união foi muito positiva, pois culminou na aprovação de um projeto com reflexos muito positivos para o setor e que preenche uma lacuna nas políticas mitigatórias lançadas pelo governo federal até agora. A taxa de juros é muito boa (Selic vigente mais 1,25% a.a., o que hoje resulta em 5,0% aa); carência de 8 meses e 36 meses para pagar; garantias reais em equivalência ao capital tomado emprestado para empresas com mais de um ano de funcionamento, e até 150% para empresas com menos de um ano; além de muitas negativas não serem exigidas.”, afirmou Bohn.

SOBRE O PROJETO

O PL 1.282/2020 concede uma linha de crédito especial para micro e pequenas empresas que pedirem empréstimos de valor correspondente a até 30% de sua receita bruta obtida no ano de 2019. O limite global da garantia para todos os empréstimos será de R$ 15,9 bilhões, por meio do Fundo Garantidor de Operações (FGO-BB), a ser gerido pelo Banco do Brasil.

A taxa anual será de 5% ao ano e o prazo de pagamento será de 36 meses, com carência de oito meses para começar a pagar as parcelas. Durante o período de carência, o empréstimo será corrigido apenas pela taxa Selic vigente.

O auxílio poderá ser pedido em qualquer banco privado participante e no Banco do Brasil. Outros bancos públicos que poderão aderir são a Caixa Econômica Federal e bancos estaduais. O texto permite a participação ainda de agências de fomento estaduais, de cooperativas de crédito, de bancos cooperados, de instituições integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro, das fintechs (bancos virtuais) e outras instituições de crédito autorizadas a operar pelo Banco Central do Brasil, e das organizações da sociedade civil de interesse público de crédito.

O PL 1.282/2020 agora vai à sanção da presidência da República.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais