“Essa espécie de crime será reprimida com rigor” diz delegado sobre caso da idosa agredida

Na manhã da última sexta-feira, 26 de janeiro, a idosa Rita Poletto, 77 anos, foi brutalmente agredida por um indivíduo que invadiu sua casa, na Comunidade Rio Tigre. Horas depois, durante a madrugada de sábado (27), a Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Captura (Defrec) realizou a captura do suspeito de cometer o crime. Segundo a investigação, Mateus Felipe Silva Moreira, 18 anos, furtou do local uma televisão e outros objetos que ainda não foram recuperados.

De acordo com o delegado titular da Defrec, Gustavo Vilasbôas Ceccon, a prisão ocorreu por volta das 2h30min da madrugada, em cumprimento de mandado de prisão preventiva. Conforme Ceccon, “a agilidade do Ministério Público em apresentar parecer com relação à representação ofertada pela autoridade policial e do Poder Judiciário em apreciar e decretar o pedido de prisão preventiva foram fundamentais para a elucidação do fato”.

A idosa foi agredida com o cabo de uma espingarda que o criminoso encontrou na residência e familiares acreditam que ela tenha sido arrastada por todos os cômodos da casa, enquanto recebia os golpes, para que mostrasse onde se encontravam objetos de valor.

O agressor ainda se identificou para funcionários de uma empresa de telefonia, como um mecânico que estaria no porão do local para consertar uma moto. Aos trabalhadores, que queriam entrar na residência para realizar testes em um aparelho de telefone, ele disse que a idosa não os atenderia, pois estava dormindo. Pouco depois ela conseguiu sair para a área, se arrastando e sangrando muito, e alcançou uma chave para os funcionários acessarem o local. Neste meio tempo o agressor fugiu pelo meio de plantações e matas.

A vítima permanece internada na UTI da Fundação Hospitalar Santa Terezinha e conforme o delegado, seu estado é gravíssimo, mas de acordo com informações extraoficiais, ela já estaria apresentando desinchaço, o que seria um bom sinal.

Sobre o caso, Ceccon afirmou que “a prática dessa espécie de crime não vai ser tolerada e será reprimida com rigor”.

Em 2016, quando ainda era menor de idade, o preso cumpriu medida socioeducativa por ser apontado como autor de um latrocínio (matar para roubar) ocorrido no bairro Progresso. Na data, ele matou um homem com facadas no pescoço para roubar uma bicicleta.

Comentários estão fechados.