Preso em Erechim suspeito de integrar organização com origem no Sistema Prisional estadual

A Delegacia Especializada de Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) de Erechim participou nesta quinta-feira, 28 de setembro, das operações Contra Ataque e da Hidra, ambas realizadas de forma coordenada e concomitante, para cumprir 15 mandados de busca e apreensão e 16 de prisões preventivas, em diferentes cidades do Estado, sendo uma delas, Erechim.

A Operação Contra Ataque foi desencadeada pela 1ª Delegacia de Polícia de Ijuí e tinha como foco dar andamento a investigações de oito homicídios ocorridos no município, tendo ligação com o tráfico de drogas. Já a Operação Hidra foi desenvolvida pelo Ministério Público/GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), apoiado pela Brigada Militar, e tendo como foco investigações relacionadas ao tráfico de drogas e associação ao tráfico de drogas.

Na Capital da Amizade, no bairro Linho, a Defrec prendeu em cumprimento de mandado de prisão preventiva Alisson Pietrich, 23 anos e com passagens policiais por tráfico de drogas, disparo de arma de fogo. Pietrich é suspeito de integrar a organização criminosa alvo das operações.

Em Ijuí, foram cinco prisões, todas relacionadas a detentos do sistema semiaberto e outras cinco de apenados do regime fechado. A ação também resultou na apreensão de 2, 249 quilos de maconha (dois tijolos, oito porções grandes e 195 porções pequenas embaladas para comercialização), R$ 95,00 em dinheiro, 10 munições calibre .38, aparelhos de telefone celular e objetos de prova. Anteriormente, no decorrer das investigações, já haviam sido lavradas duas prisões em flagrante por homicídios, cumpridas sete prisões preventivas e uma prisão temporária, bem como cumpridos diversos mandados de busca e apreensão e apreendidos inúmeros aparelhos de telefone celular, revólveres, drogas, veículos e uma pistola calibre 9mm.

As operações desta quinta-feira também resultaram em prisões no município de Ibirubá e na penitenciária de Charqueadas.

Para a polícia, as prisões e o material apreendido demonstram a existência de uma organização criminosa com origem dentro do Sistema Prisional estadual, de onde partiam as ordens para homicídios, em disputas de grupos ligados a facções da Região Metropolitana, visando estabelecer o controle do tráfico de drogas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais