Municípios da AMAU preparam-se para decretar situação de calamidade pública

A manhã desta segunda-feira (28) foi marcada por reunião na Associação dos Municípios do Alto Uruguai (AMAU) em Erechim. Prefeitos, secretários e demais líderes dos municípios do Alto Uruguai, bem como, representantes de cooperativas (Aurora, Copérdia e Cooperalfa), dialogaram com relação à greve dos caminhoneiros. Por conta da paralisação muitos serviços têm sido afetados, principalmente os produtores de leite, aves e suínos.

Hoje a situação é desesperadora com relação ao leite que está sendo jogado fora e aves, suínos com alimentação restrita por conta da falta de ração.

Ao final da reunião que durou mais de duas horas, os prefeitos optaram por decretar situação de calamidade pública e os 32 municípios farão seu decreto individual.

Os prefeitos assinaram nota pública: “A Associação dos Municípios do Alto Uruguai (AMAU), devido ao momento de crise e reflexão exposto pela greve dos caminhoneiros, ouvindo o apelo da população vem expor sua preocupação.

Com  a iminente paralisação de todos os serviços de saúde, educação e serviços aos produtores rurais, ouvidas as cooperativas, suinocultores, avicultores, e produtores de leite, está claro que o prolongamento dos bloqueios causará prejuízos irreversíveis a toda a cadeia produtiva, mortandade de animais, elevação do custo da produção, elevação de preços ao consumidor final, falência da matriz produtiva dos pequenos agricultores, dentre outros efeitos inimagináveis, em especial à renda do produtor rural e risco de aumento significativo do custo de vida do cidadão.

Desta forma solicitamos uma TRÉGUA ao movimento grevista, para o necessário restabelecimento da cadeia produtiva com alimentação dos animais, escoamento da produção, abate e destinação final da produção, visto que não há capacidade de armazenamento de produção pelas indústrias.

Há também a necessidade de reabastecimento de combustível dos municípios para atendimento das necessidades básicas da população, sob pena de paralisação total dos serviços públicos, mesmo os de urgência e emergência, ocasionando risco à saúde e a vida da população. Os municípios por orientação da AMAU, decretarão situação de calamidade pública, devido à fatal de combustíveis. Pedimos “bom senso” aos grevistas e apelamos para uma solução democrática e pacífica, eis que, como afirmamos anteriormente, nosso compromisso é na defesa do povo”.

 

 

 

Comentários estão fechados.