Há cinco anos, o Atlântico conquistava a América

Campeão da Libertadores pela primeira vez, Galo marcava novo ciclo de conquistas no salonismo erechinense

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

O dia 27 de abril de 2014 ficará para sempre marcado na história do Atlântico. Foi quando, pela primeira vez, o Galo de Erechim conquistou a Taça Libertadores da América de Futsal. Foi o passo decisivo para o clube se tornar conhecido mundialmente, já que no ano seguinte, o Atlântico viria, através desta conquista, ganhar o Mundial de Clubes.

Naquele dia, a conquista da América veio diante de uma das principais camisas do esporte no mundo, o Boca Juniors, vitória de 3 a 2. Aquele domingo, virou de grande festa para os milhares de torcedores que foram ao ginásio e às dezenas de milhares de pessoas que comemoraram nas ruas, em casa.

A conquista em 2014

A Copa Libertadores da América levou um mar de gente para os sete dias do evento e conquistou outras tantas mais, já que as crianças e mulheres se fizeram presentes em peso nos diversos jogos que aconteceram.

E no último dia de competição (27 de abril de 2014), mais de duas mil pessoas lotaram o Caldeirão do Galo incentivar o Atlântico na final da competição diante do Boca Juniors da Argentina.

A partida começou nervosa, e com o Boca Juniors buscando ficar com a posse de bola. O Atlântico buscava acertar a marcação, mas comentou muitas faltas nas primeiras movimentações.

Mas a tensão da torcida se transformou em euforia. Aos dois minutos de jogo o Caldeirão ferveu quando Bagatini recebeu a bola livre de marcação e concluiu para o fundo da rede adversária. Os mais de dois mil torcedores que lotavam o ginásio passaram a acreditar que o título da Libertadores da América estava mais perto de Erechim.

Mas a euforia durou muito menos do  que era esperado. Na saída de bola do Boca, Mas a resposta veio na saída de bola, com Santos. O torcida levou mais um susto aos sete minutos, quando Vaporaki concluiu a jogada de bola parada.

O Atlântico precisou correr atrás do prejuízo e a situação ficou delicada depois que a equipe brasileira estourou o número de faltas. O time precisava atacar, as mantendo cuidados defensivos.

A situação ficou tensa até aos 17 minutos, quando um dos destaques do Atlântico na competição, Kéké, fez valer sua qualidade técnica e sua experiência para empatar a partida novamente. O placar da primeira etapa ficou no 2 a 2.

Na segunda etapa os brasileiros entraram em quadra com outra postura. Com mais paciência para encaixar as jogadas o Atlântico conseguiu uma maior posse de bola. As chances começaram a aparece, até que aos oito minutos de jogo Quintairos recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. A equipe brasileira fez valer o jogador a mais em quadra e fez o 3 a 2 com Galo, que chutou forte da entrada da área.

A partida seguiu tensa, até que faltando três minutos para encerrar a partida, o Boca passou a jogar com goleiro-linha. Os argentinos passaram a ficar com a posse de bola na quadra de ataque, enquanto o Atlântico mantinha uma postura defensiva e sem arriscar, obrigando o Boca a tocar a bola sem ter a chance da conclusão.

No final da partida o torcedor do time brasileiro comemorou o título da Libertadores de Futsal 2014. O Atlântico conquistou o campeonato da principal competição do salonismo da América de Sul de forma invicta e pela primeira vez. Em 2006 havia sido vice-campeão.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais