Aula Inaugural de Enfermagem da URI aborda práticas integrativas em saúde

        As práticas integrativas em saúde foram discutidas na tarde desta terça-feira, 26, durante a Aula Inaugural do Curso de Enfermagem da URI Erechim. A enfermeira Kiciosan Bernardi Galli, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) conduziu o encontro que reuniu acadêmicos e professores do Curso no Anfiteatro da Instituição.

        As práticas integrativas já estão instituídas há 13 anos no Sistema Único de Saúde (SUS) como Política Nacional em Práticas Integrativas e Complementares. Conforme Kiciosan, são 29 práticas que podem ser conduzidas por diferentes profissionais da área da saúde e permitem a complementação do trabalho já realizado tradicionalmente. “Temos enfermeiros acupunturistas, terapeutas florais, que trabalham com fitoterapia, plantas medicinais, entre outros. Este profissional, por trabalhar com o cuidado, está muito próximo do usuário através das visitas domiciliares e no cuidado diário nos hospitais”, explica.

        Esse vínculo, de acordo com a convidada, permite que o cuidado seja ainda mais humanizado e profundo aos pacientes, diminuindo a medicalização que, por vezes, é utilizada de forma irracional. “Um exemplo disso é o tratamento da fibromialgia, que é feito com, no mínimo, três medicamentos controlados. Temos visto efeitos muito positivos da auriculoterapia, para diminuir as dores; bem como danças circulares e plantas medicinais. Tudo complementa o tratamento tradicional e, também, diminui a necessidade de tanta medicalização”, salienta.

        A discussão é extremamente importante pois, de acordo com a enfermeira, na lógica das práticas integrativas o princípio fundamental é conhecer a causa de determinadas patologias, evitando que se tornem doenças crônicas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais