Situação das barragens gaúchas é debatida em Erechim

Audiência pública foi promovida pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa

O relator da Subcomissão das Barragens, deputado Paparico Bacchi, considera positivo resultado da primeira audiência pública que discutiu a situação das represas instaladas em solo gaúcho. De acordo com o líder da bancada do PR na Assembleia Legislativa o debate – de caráter técnico – encaminhou importantes sugestões para melhorar a segurança das estruturas de contenção, assim como a qualidade de vida da população que reside nas comunidades atingidas por lagos, rios, sedes de usinas hidrelétricas ou por depósitos de resíduos minerais.

Presenças

O debate promovido pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, ocorreu na sexta-feira (24) na Câmara de Vereadores de Erechim e reuniu deputados, prefeitos, vereadores, secretários municipais, representantes da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Ministério do Desenvolvimento Regional, Ministério Público, Emater, Corsan, Defesa Civil e do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), além de estudantes, professores e ambientalistas.

Necessidade de fiscalização

O promotor de justiça de São Valentim, Adriano de Araújo, elogiou a iniciativa do Parlamento gaúcho e salientou que a sociedade, raras vezes debate ações preventivas sobre temas que podem impactar na vida das pessoas e no meio ambiente. Ao lado do promotor João Fábio Munhoz Manzano, que representou o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, Adriano de Araújo alertou que o Estado deve intensificar a fiscalização para evitar tragédias e garantir tranquilidade para as famílias que podem ser afetadas em caso de acidente nas barragens.

Planos de segurança

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), detalhou números que comprovam a arrecadação e o faturamento das usinas hidrelétricas a partir da exploração dos recursos hídricos. Fernando Fernandes, que é membro da coordenadoria estadual, afirmou que o MAB desconhece a existência de planos de segurança das barragens e que o problema não está relacionado com falta de dinheiro das empresas, que não enviaram representantes para o debate.

Investimentos

O deputado federal Dionilso Marcon (PT), alinhado com a posição do MAB, defendeu maiores investimentos em lautos técnicos sobre as estruturas das barragens e sugeriu a contratação de universidades federais para esta finalidade.

Avanços na prevenção

O deputado estadual Vilmar Lourenço (PSL), integrante da subcomissão, parabenizou a iniciativa do deputado Paparico Bacchi e  enfatizou os aspectos abordados na audiência como o físico, humano, social e, principalmente, a necessidade de avançar na questão da segurança de todas as barragens.

Estado

Durante os trabalhos o representante da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Nelson Freitas, apresentou um relatório de fiscalizações realizadas no Rio Grande do Sul, onde há 1.716 barragens outorgadas e passíveis de fiscalização. Segundo ele, compete ao Estado a fiscalização sobre as barragens para armazenando de água, destinadas à irrigação, bem como, açudes que armazenam recursos hídricos utilizados para outras finalidades ligadas ao meio rural.

Demanda dos prefeitos

O prefeito de Marcelino Ramos e presidente da Associação de Municípios do Alto Uruguai, Juliano Zuanazzi (PT), sugeriu que o Estado invista na região das unidades geradoras, os recursos recebidos a título de compensação pelo uso da água.

Questões climáticas, culturais e de saúde também foram apontadas como relevantes entre os debatedores.

Relatório

O deputado Paparico Bacchi ,anunciou que vai avaliar todas as sugestões para que possam ser incluídas no relatório final da subcomissão. A próxima audiência pública está marcada para segunda-feira (3), em Porto Alegre, na Assembleia Legislativa (Espaço Convergência Adão Pretto).

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais