Vai e vem, mas quem fica segurando o “guarda-chuva” é a URI

Ao longo dos últimos 26 anos já ouvi várias críticas por parte de algumas pessoas da nossa sociedade, dizendo que a URI podia retribuir muito mais para a comunidade regional. Não quero sem querer ser o “advogado” da instituição, até porque não tenho formação acadêmica para isso, e a URI tem os melhores profissionais da área do Direito para fazer isso se necessário, mas se nestes 26 anos não tivéssemos a universidade, o que seria do município de Erechim e das comunidades regionais, sejam elas privadas ou públicas? Em qualquer evento, seja esportivo, cultural ou econômico de Erechim e nos demais municípios da AMAU, a URI sempre está presente, inclusive com patrocínios financeiros.
Nestes anos surgiram várias instituições privadas que diziam, iriam revolucionar a economia e a educação na região, mas na hora “H”, todo mundo some, finge que não tem nada a ver com elas. Isso já aconteceu e com certeza deverá continuar com alguns milagreiros, que pegam nosso dinheiro e vão embora sem deixar marca alguma para a comunidade regional.
Tomara que as futuras instituições que se instalarem em Erechim me desmintam sobre o que estou afirmando. Vai e vem, e quem fica segurando o guarda-chuva de várias entidades de nossa cidade, sejam elas privadas ou públicas, é a nossa URI.
Que bom que estão chegando mais intuições privadas na área da educação em nossa cidade, mas meu questionamento é se elas vão contribuir para as entidades sociais e os municípios da região? Com certezaque este deve ser o principal questionamento a fazer para as novas instituições. Aliás, daqui mais uns dias poderemos ter mais novidades no meio educacional em Erechim.

 

Instituto Federal presente nas ações regionais

Com certeza, o Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) é a principal instituição de educação pública a conseguir nos últimos anos, se integrar e proporcionar soluções para a economia regional. Um dos exemplos é o seu diretor, Eduardo Predebon, que é presidente da Agência de Desenvolvimento do Alto Uruguai, e que ao longo do seu mandato conseguiu promoveu vários seminários regionais, além de buscar linhas de crédito para financiamentos para empresas da região. É bom ressaltar que o IFRS sempre se faz presente nos mais diversos eventos de nossa cidade, seja na área econômica ou social. Evidente que o Instituto Federal não dispõe de recursos para o patrocínio de eventos, como as instituições privadas, até porque não tem receita com mensalidade dos alunos.

 

Comunidade questiona a direção UFFS?

A comunidade regional estaria questionando a falta de envolvimento da Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS), campus de Erechim, nas mais diversas ações que acontecem em nossa cidade e região, algo que acontecia com freqüência no início de sua instalação em Erechim. Na semana que passou um grupo de liderança de nossa cidade me relatou que só lembra que existe a UFFS por causa dos professores Luis Fernando, Thiago e Ricardo, pela sua participação na Rádio Cultura, em suas colunas no Jornal Boa Vista e também pelo envolvimento dos mesmos no meio esportivo e cultural de nossa cidade.
Infelizmente tenho que concordar com a comunidade de Erechim e também com prefeitos da região, é muito difícil encontrar a direção ou representantes da Universidade Federal nos eventos de nossa cidade. Não quero crer que ela não esteja sendo convidada para participar dos eventos, afinal o Luis Fernando, o Thiago e o Ricardo também não são convidados e se fazem presentes em todos os eventos.
No passado a Universidade Federal sempre estava presente nos mais diversos eventos de nossa cidade e região e também se posicionava sobre muitas ações nos mais diversos setores da comunidade. Aliás, a UFFS devia ser uma das proponentes de várias ações em nossa região, por se tratar de uma Universidade Federal.

 

Por Egidio Lazzarotto

Comentários estão fechados.