O ano iniciou com crise na Saúde Pública

Ao longo dos anos ouço das autoridades ligadas à Saúde, que não há dinheiro que chegue para o setor, que é um saco sem fundo. A saúde em nossa cidade iniciou o ano de 2018 mergulhada numa crise que deve se prolongar por muito tempo, por mais que o município e a Câmara de Vereadores continuem injetando dinheiro.

Iniciamos o ano com falta de médicos, uns que se aposentaram, outros tirando férias, alguns simplesmente pediram demissão, e com isso, várias UBSs ficaram praticamente sem os profissionais, deixando a população de tais regiões desatendida.

Há poucos dias procurei saber sobre o motivo de muitos médicos preferirem os pequenos municípios da região, com pouca estrutura, e não Erechim, que é uma cidade polo. Ouvi de dois profissionais o seguinte: o principal problema é a questão salarial. A maioria dos municípios da região estaria pagando um salário melhor do que Erechim. Outro fator relatado pelos médicos é que no interior os profissionais são tratados com muito respeito por parte da população, enquanto que em algumas UBS de nossa cidade isso não acontece.

O município de Erechim tem que rever a questão salarial ou continuaremos perdendo profissionais para outras regiões. Com relação à falta de respeito, até posso concordar, mas o profissional tem que cumprir o horário estabelecido pela Secretaria da Saúde e realizar uma boa consulta ao paciente. Tenho certeza que assim a população não faltará com respeito aos profissionais.

Por Egidio Lazzarotto  

Comentários estão fechados.