Caravana da Agricultura Familiar

Entidades apresentam 11 propostas para o pré-candidato Miguel Rossetto

A Caravana da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento com o pré-candidato do PT ao governo do Estado Miguel Rossetto, promovida pelo Movimento dos Pequenos Agricultores, pela Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetraf-RS) e pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, foi encerrada na tarde desta quarta-feira (25) no Seminário Nossa Senhora de Fátima, em Erechim. Foram apresentados 11 propostas para o pré-candidato construídas a partir da síntese da atividade desenvolvida desde o dia 19 de junho em 19 municípios das regiões Noroeste, Missões, Fronteira Noroeste, Celeiro, Palmeira, Altos da Serra e Alto Uruguai, percorrendo experiências da agricultura familiar, agroindústrias, saúde, internet e educação.
O perfil sócio-econômico da região Alto Uruguai foi sintetizado pela professora Zenicleia de Gerome, da Uergs, e pelo representante da Fetraf-RS, Alcemir Bagnara.
O coordenador da entidade no RS, Rui Valença, abordou as constatações da Caravana, a exemplo da importância da produção de leite, de aprimorar a legislação de comercialização das agroindústrias, de  políticas e recursos para o acesso à terra, da importância do cooperativismo, principal forma de organização econômica da agricultura familiar. A forma de produzir alimentos, aliada ao meio ambiente, transformando o RS num grande produtor de alimentos agroecológicos foi outro ponto apresentado por Valença.
Ele apresentou a síntese das propostas  e falou sobre a atual configuração do Estado, marcada pelo acirramento da disputa de classes e pelo aumento das diferenças entre ricos e pobres, pelo envelhecimento e crescente urbanização da população, com a economia dos pequenos municípios baseada no setor agropecuário e na agricultura familiar e com o empobrecimento, envelhecimento e esvaziamento do meio rural. O coordenador da Fetraf-RS, Rui Valença, acompanhou a apresentação.
Neste contexto, a previdência social é uma das principais fontes de renda dos pequenos municípios. Um dos fenômenos observados na atualidade, segundo o dirigente sindical, é a cooptação da agricultura familiar pelo agronegócio e estrangulamentos na infraestrutura
 
Propostas
As 11 propostas oriundas da Agricultura Familiar referem que o Estado precisa responder as estas constatações com políticas púbicas diferenciadas, assumir a agroecologia como modo de vida, diferenciar o agronegócio da Agricultura Familiar, manter a população no meio rural, um Estado forte e propulsor do desenvolvimento, criação do Orçamento Participativo da Agricultura Familiar, infraestrutura, educação, saúde, segurança e itens específicos.
A primeira delas alerta que o Estado precisa responder as constatações do setor com políticas públicas diferenciadas, além de assumir a agroecologia como modo de vida e produção, criando políticos de incentivo à atividade. Também é necessário que diferencie o agronegócio, que produz mercadorias, da agricultura familiar, que produz alimentos, preserva o meio ambiente e a cultura, para manter as pessoas no campo.
No quesito manutenção do trabalhador no meio rural, destaca-se o enfrentamento do tema da sucessão familiar, da valorização do trabalho da mulher, da igualdade de condições, do enfrentamento do machismo. Para os jovens, é preciso incentivar a permanência no meio rural e na região por meio de atenção em saúde, educação, renda e emprego.
As entidades defendem a constituição de um Estado forte e propulsor do desenvolvimento que adote as seguintes ações: regulação da produção, agroindustrialidade e comercialização; retomada e criação de novas políticas públicas; compras institucionais e garantia de fatias do mercado através de incentivos fiscais; enfrentamento de técnicos e burocratas nos sistemas de inspeção, desburocratização e viabilização do SUSAF (Serviço de Inspeção Municipal); promoção de debates e subsídio de alternativas, pensando em processos alternativos de produção de alimentos, apostando nas cadeias curtas e na agroindústria familiar, possibilitando que os agricultores tenham acesso às tecnologias para a produção de alimentos; revisão da obrigatoriedade de emissão da Nota Fiscal Eletrônica, tendo em vista as limitações de tecnologias no meio rural; fortalecimento do cooperativismo e associativismo, com avanços e ampliação das estratégias do cooperativismo gaúcho; aquisição, a partir de 2019, de pelo menos 30% dos alimentos da Agricultura Familiar por todas as instituições do Estado.
A sexta proposta é a criação do Orçamento Participativo da Agricultura Familiar e a realização de um governo participativo, com a valorização dos sindicatos, cooperativas e movimentos sociais. No sétimo eixo, da infraestrutura, a sugestão é o encurtamento de distâncias com acesso à energia elétrica, internet, telefonia, saúde, educação, serviços, lazer e estradas.
Na área da educação, a proposta básica é a valorização da identidade e da Agricultura Familiar por meio da qualificação de professores, serviços de qualidade, educação no campo, não fechamento de escolas, fortalecimento da Uergs, ampliando seu espaço de atuação com Centro de Difusão e Pesquisa de Tecnologias, fortalecimento da pesquisa na Fepagro, com acompanhamento técnico pelo corpo profissionalizado na Agroecologia e também o fortalecimento da educação básica.
O fortalecimento do Sistema Único de Saúde, garantias de atendimento, manutenção e fortalecimento de hospitais de pequeno e médio porte microrregionais são as sugestões para a área da Saúde. Para a segurança, é necessário adotar sistemas integrados de monitoramento nas principais estradas, patrulhamento do meio rural e equipamentos para a BM e Polícia Civil.
As entidades reservaram parte um tópico das propostas para a cadeia do leite. Defendem que o Estado assuma a produção como estratégia para a valorização da agricultura familiar, criação de políticas de preço seguro e justo e de incentivo à produção leiteira. Também propõem a criação de um selo de identificação dos produtos da agricultura familiar, o fortalecimento e ampliação do crédito agrícola e das estratégias do Programa de Aquisição de Alimentos, criação de políticas de incentivo às energias renováveis, pagamento em dia do funcionalismo público estadual e adoção de estratégias de fortalecimento da CEASA, como garantia de segurança alimentar.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais