Encontro coloca o adolescente em pauta

Numa iniciativa do Poder Executivo Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social e do Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS) realizou-se, na manhã de hoje (25), o Encontro Municipal Sobre Medidas Socioeducativas.  Tendo como mote o tema “Refletindo o ato infracional e reconstruindo projetos de vida”, o encontro aconteceu no salão de atos da URI Campus de Erechim com a participação de autoridades, de profissionais das áreas de saúde, educação, psicologia e assistência social, de estudantes, entidades e órgãos de direitos e do público em geral.

 

Aos palestrantes convidados, promotor de justiça João Fábio Munhoz Manzano, da 2ª Promotoria de Justiça Especializada de Erechim, e o delegado de polícia titular da DPPA Germano Alves Lima, coube esclarecer detalhes sobre o trabalho realizado junto aos adolescentes que cometem delito. “O Artigo 103 do ECA considera infração penal, crime ou contravenção, o praticado por quem tem de 12 a 18 anos. À promotoria cabe avaliar cuidadosamente todo o cenário dos atos que envolvem esses adolescentes”, colocou em meio a tantos outros pontos detalhados, o promotor Manzano. “Entre os meios de enfrentamento a esta realidade, a educação é incontestável arma. No Brasil um preso tem um custo anual muito mais alto que um estudante do ensino médio ou de um universitário”, frisou o delegado Lima.

Na sequência, a assistente social Álvida Langendorf e a pedagoga social Sandra Spassini fizeram relatos de experiências da equipe técnica do Serviço de Proteção Social à Adolescentes. Já, a psicóloga Léa Aguiar da Instituição Obra Promocional Santa Marta, depôs sobre a ressocialização dos adolescentes encaminhados para o cumprimento de medidas naquela instituição.

Antecedendo as palestras do Encontro Municipal de Medidas Socioeducativas, a Secretária Municipal de Educação, Vanir Clara Bernardi Bombardelli destacou que: “as escolas são meios onde é possível perceber o quanto a estrutura familiar é grande responsável pela formação do caráter do indivíduo, fato este que denota a importância incontestável destas instituições”. E Fabiana Cavagni, secretária adjunta de Assistência Social, lembrou que “o menor é um ser em formação, a ele deve ser dada a oportunidade de ressocialização e a recuperação dessa condição de vulnerabilidade”.

É considerado ato infracional toda conduta descrita como crime ou contravenção penal. E menores de dezoito anos são penalmente inimputáveis, sujeitos às medidas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Para a realização do atendimento socioeducativo, existe um Programa delineado segundo diretrizes e normas nacionais, elaboradas no campo normativo brasileiro, inspiradas na Declaração Universal dos Direitos Humanos e na Convenção sobre os Direitos da Criança, estando preconizadas no Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE), e nas demais normativas previstas na Política Nacional de Assistência Social

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais