HC realiza palestra alusiva ao Dia Mundial do Coração

Evento reuniu estudantes, profissionais da saúde e comunidade no auditório do Centro Clínico do Hospital

Em alusão ao Dia Mundial do Coração, que será celebrado no próximo sábado, 29, o Hospital de Caridade de Erechim realizou nesta segunda-feira, 24, palestra com médico cardiologista Milton Serpa. Profissional com mais de 37 anos de formação, Serpa – que há cerca de duas semanas voltou do Congresso Europeu de Cardiologia, realizado em Munique, na Alemanha – deu uma verdadeira aula a respeito de diagnóstico das doenças cardiovasculares, cuidados preventivos para uma vida saudável, além de abordar os mais recentes avanços na área cardiológica.
Ao final da explanação, Serpa respondeu a questionamentos da plateia, em especial dos estudantes de Medicina, Enfermagem, Fisioterapia e Técnico de Enfermagem da URI presentes. A palestra foi organizada pelo Comitê de Eventos e Humanização do HC.
O que disse Serpa
‘O colesterol e as inflamações são as principais causas do infarto agudo do miocárdio. Em seguida, vem a hipertensão’.
‘É preciso que homens e mulheres fiquem de olho com a circunferência abdominal. Aquela barriguinha protuberante é um perigo. Nos homens da nossa região (descendência europeia) o ideal seria uma circunferência abaixo de 94 cm, com um máximo de 102 cm; nas mulheres, ideal de 80 cm e máximo de 88 cm”.
‘Tabagismo é fator de risco não apenas para o câncer de pulmão, mas também para as doenças do coração. Por isso, entre os objetivos da prevenção está não fumar. Além disso, é preciso manter um índice de massa corpórea entre 20 e 25; dieta com pouca gordura saturada e muitos produtos integrais, vegetais, frutas e peixes, e, pelo menos, 150 minutos de moderados exercícios físicos aeróbicos por semana’.
‘Nada supera uma alimentação de qualidade’.
‘As estatísticas e séries históricas mostram que a oncologia é uma das áreas que mais deve crescer na medicina. Isso se deve, em grande parte, ao trabalho dos cardiologistas, que estão mantendo as pessoas mais tempo vivas’.

Comentários estão fechados.