Erechim suspende exames nas UBSs devido à greve dos caminhoneiros

Cirurgias eletivas também podem ser suspensas

Somar forças para que se possa enfrentar da melhor forma possível os reflexos que começam a ser sentidos em todo o Brasil devido a greve dos caminhoneiros que se estende desde a última terça-feira em todas as estradas dos mais diferentes estados.

Esta foi a tônica da reunião ocorrida na tarde desta sexta-feira, 25, junto a Secretaria Municipal de Saúde, com a presença do secretário municipal de Saúde, Jackson Arpini e equipe, e o Diretor da Fundação Hospitalar Santa Terezinha, Helio Bianchi e do Diretor Administrativo Márcio Antunes.

“A amplitude do Movimento já está trazendo reflexos diretos na pasta da Saúde. A curto espaço de tempo poderá faltar insumos para realização de alguns procedimentos e ações de saúde, como por exemplo, para a realização de exames laboratoriais”.

Como em Erechim e demais municípios do Brasil a situação não está diferente, Jackson e Hélio solicitam a compreensão da comunidade de Erechim e região com relação as medidas que passarão a ser adotadas para que se possa garantir o atendimento a urgências e emergências, no sentido de priorizar as urgências e emergências e casos prioritários.

Para tanto, os exames laboratoriais que eram realizados junto as UBS ficam suspensos a partir da próxima segunda-feira, 28, ficando somente reserva técnica para realização de casos urgentes e para realização dos pacientes internados na própria Fundação. Medidas passarão a ser tomadas a partir da próxima semana, e serão monitoradas pelas equipes de forma permamente.

Com relação a cirurgias eletivas, Hélio destacou que ainda não há uma decisão, mas somente na próxima semana, caso persistir a mobilização, poderá haver a sua suspensão. Quanto a lavanderia, os trabalhos pela empresa terceirizada estão garantidos em até 15 dias com relação a limpeza e higienização. Ao pontuar a situação dos remédios, alerta que alguns poderão faltar na terça-feira, 29, já os gêneros alimentícios estão garantidos também no prazo de 15 dias. “Mesmo parando a greve se manterá a posição com relação aos exames, porque há a necessidade de um tempo para regularização”

Na Secretaria Municipal da Saúde entre as dificuldades enfrentadas dizem respeito ao deslocamento dos usuários para tratamento fora do domicílio. “A falta de combustíveis afeta diretamente este serviço que encaminha pacientes para município de referência e distantes de Erechim. O município garante o transporte de ida mas, em algumas situações, a volta fica comprometida, mesmo com a retaguarda da Casa de Apoio.”

“Dentro desta realidade que estamos vivenciando os serviços de urgência e emergência terão prioridade absoluta, mas garantimos que não haverá a falta de remédios da atenção básica nesse período. A SAMU terá fluxo normal, por ser um serviço prioritário. Estamos vivenciando uma situação adversa no nosso País, que afeta a saúde, e nesse sentido precisamos adotar as medidas preventivas para minimizar os entraves”, finaliza.

Comentários estão fechados.