Sindilojas Alto Uruguai não está medindo esforços para que o comércio permaneça aberto

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

O Sindilojas Alto Uruguai não está medindo esforços, assim como a Fecomércio-RS, para que o comércio permaneça aberto. No domingo, 21, à tarde, o Sindilojas esteve representado em uma reunião com o prefeito Paulo Polis, ao lado dos presidentes da ACCIE e CDL, levando a preocupação de todo o comércio com o fechamento frente à classificação de Bandeira Preta pelo Sistema de Distanciamento Controlado do Governo do Rio Grande do Sul.

Segundo o presidente do Sindilojas Alto Uruguai, José Gelso Miola, o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, participou, na segunda-feira, 22, de reunião com o governador Eduardo Leite e outras entidades empresariais para discutir as alternativas para a contenção da pandemia de Covid-19 e evitar o fechamento do comércio. A Fecomércio-RS apoia o esforço para evitar aglomerações e para reforçar a adoção de medidas que previnam o contágio, mas advertiu, também, que o fechamento do comércio na bandeira preta seria uma medida extrema, sem efetividade comprovada, que causaria graves prejuízos ao emprego e à renda de milhões de pessoas.

No entendimento da Fecomércio-RS e do Sindilojas Alto Uruguai, providências como a repressão às aglomerações, paralisação de atividades entre as 22h e as 05h e a redução na ocupação dos espaços comerciais, sem o seu fechamento total, são razoáveis perante o estágio da pandemia no Rio Grande do Sul.

O Sindilojas Alto Uruguai defende e sempre defendeu o funcionamento do comércio, porém entende que se deve respeitar os decretos do Governo do Estado e seguir as determinações deles emanadas. Porém, é categórico ao afirmar que não concorda com protestos de qualquer natureza e, por isso, solicita que os empresários tenham muita calma. “Estamos negociando e pleiteando de todas as formas que o comércio não feche”, finalizou Miola.

Por Assessoria de Comunicação

Get real time updates directly on you device, subscribe now.