Modesto Carvalhosa, o peregrino

A crença que move o advogado, consultor, professor e árbitro Modesto Carvalhosa é o combate à corrupção e o direito de que todo o cidadão possa ser votado, mesmo sem filiação partidária

Tecnicamente, uma peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos)  é uma jornada realizada por um devoto de uma dada religião a um lugar considerado sagrado pela sua fé.

A crença que move o advogado, consultor, professor e árbitro Modesto Carvalhosa é o combate à corrupção e o direito de que todo o cidadão possa ser votado, mesmo sem filiação partidária. Aos 85 anos, ele visa incentivar a participação direta da cidadania na política, e mostrar o distanciamento entre a sociedade civil e os implicados na Operação Lava-Jato.

Pré-candidato independente à presidência da República em 2018, o peregrino, que esteve em Porto Alegre participando do Café com Política da Unimed RS na sexta-feira, 15, está disposto a cortar o País desfraldando a bandeira do necessário (e urgente) ‘resgate social’ da população. Para Carvalhosa, o  Brasil ‘tem jeito’.

A seguir, a coluna reproduz trechos da entrevista exclusiva com o jurista que apresenta seus projetos, entre os quais o fim do financiamento público de campanha e a redução do número de ministérios para 12; fundamenta a candidatura ‘avulso’ com base no Pacto de São José da Costa Rica; e diz apostar nas redes sociais para levar sua pregação adiante. ‘(A internet) É o único caminho que tenho para chegar nas pessoas’, resume. Confira:

 

Suas propostas são simpáticas e necessárias para a guinada que o Brasil precisa. A pergunta, porém, é: aqueles que já ‘compraram’ sua ideia, poderão, em 2018, votar num candidato independente, como o Sr.?

Sinto-me no direito de ser votado. A questão está com o STF, que deverá se manifestar entre fevereiro e março sobre a possibilidade de candidaturas independentes, levando em conta o Pacto de São José da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário, e que não restringe o direito de ser votado à obrigatoriedade de filiação partidária. Os fundamentos da República Brasileira são incompatíveis com o cerceamento do exercício do direito político fundamental de participação direta do cidadão na política, criando-se um verdadeiro monopólio dos partidos. Temos que quebrar isto ao meio, pois, hoje, os partidos são verdadeiras organizações criminosas, causando o atraso e a roubalheira que estamos vendo.

 

Caso o STF não ‘libere’ para o pleito do ano que vem candidaturas independentes. O Sr. poderia se filiar a algum partido para concorrer?

Não. A candidatura independente é a finalidade. Se você entra num partido, você entra num fragmento. Só concorrerei de forma independente. É nisto que acredito.

 

Temos candidaturas independentes, ou assemelhadas, com sucesso eleitoral recente, como o caso do presidente francês Emmanuel Macron, e do Movimento 5 Estrelas, na Itália, que elegeu prefeitos em Roma e Turim. Essa é sua aposta?

A aposta é de aglutinarmos, no Brasil, as forças da sociedade que entendem que precisamos acabar, de vez, com a corrupção que assola o País. E nesta linha, vejo que tanto o Macron quanto o Movimento 5 Estrelas podem nos emprestar bons ensinamentos e práticas como, por exemplo, o voto distrital puro, que reestabelece a representatividade; a não reeleição; e o fim dos privilégios do setor público. A população brasileira está clamando por essa virada. Agora é a hora.

 

Embora reconhecido nacional e internacionalmente no mundo jurídico, a grande ‘massa’ ainda não conhece suas ideias. Como chegar até ela?

Só tenho um caminho: as redes sociais.

 

Foi seu tempo de ‘estrada’ – com contribuições importantes, especialmente no combate à corrupção – que, hoje, lhe faz ser ouvido por plateias de empresários, médicos e outros. No entanto, em relação à candidatura presidencial, ter 85 anos ajuda ou atrapalha?

Boa pergunta. Também me fiz esse mesmo questionamento. E, depois de rodar bastante, posso dizer que a idade, neste caso, não tem importância – e olha que pensei que pudesse ter. O importante é levar a ideia. Levantar a discussão. É isso o que me cabe e tenho conseguido fazê-lo a contento. Tenho experiência para falar e fazer.

 

O Sr. liderou movimentos de oposição ao regime militar e participou da comissão da Anistia, entre outros. No entanto, só agora, digamos, decidiu colocar seu nome para ser ‘apreciado’ pelos eleitores. Por quê?

O Brasil está sendo vilipendiado pela corrupção. A situação está insustentável – e olha que temos mapeados todos os cenários de dificuldades e quais são as soluções necessárias. O que precisamos, no momento, é de um resgate social do Brasil, que é economicamente viável. Há 13, 14 anos, o PT aparelhou o Estado para a corrupção. Antes deles, o Collor até tentou, mas caiu pelo amadorismo. É para romper com este ciclo que, entendo, precisamos agir, mobilizando a sociedade parta que intervenha nos entes estatais.

 

E como fazer isso?

Mostrando credibilidade e transparência total. Se formos confiáveis, as pessoas vêm.

 

Olhos (para intercalar no corpo do texto)

‘Nossa estrutura política é de não representação, por isso o voto distrital puro é o caminho’.

 

‘A corrupção em países como o Brasil é autoimune, criminalizada e legalizada’.

 

‘Devemos acabar com o foro privilegiado e com a desproporção de representação dos estados’.

 

‘É preciso por um fim às emendas parlamentares, pois com elas os congressistas ficam sócios do orçamento e não seus fiscais’.

 

 ‘O povo brasileiro está desiludido, e isso explica o silêncio das ruas, neste momento. A população tem repugnância pelos políticos. A desilusão é tal maneira que se houvesse um golpe militar, por exemplo, acredito que muitos estariam pouco se lixando’.

 

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais