Quanto custa viajar – Preço de hospedagem em hostels

Quem me conhece sabe que – sempre que possível – procuro conciliar a atividade jornalística com viagens, a fim de produzir conteúdo e contar histórias dos mais diversos cantos do mundo. Tal ‘vício’ já me permitiu visitar mais de 150 cidades, em 35 países de 4 continentes (América do Sul, Europa, África e Ásia).
Invariavelmente, porém, recebo perguntas de amigos e colegas que, ansiosos e sonhadores, querem saber como se ‘faz’.
Viajar é caro?
É barato?
Que dicas eu poderia dar?
Respondo:
Olha, isso é muito relativo – e depende do estilo de cada um.
Deve-se levar em conta as exigências individuais (mais ou menos conforto e, ou privacidade, por exemplo); o bolso (possibilidade de investimento); a capacidade de adaptação (a diferentes culturas, hábitos e lugares); se você vai viajar sozinho ou com a família; e, fundamentalmente, a capacidade/boa vontade de realizar um planejamento prévio – em relação à compra das passagens aéreas, do seguro viagem, reservas de hospedagem e roteiros.
No último domingo, 17 de junho, considerando apenas um destes elementos: a hospedagem, conclui um levantamento de custos nos albergues (hostels) MAIS BARATOS de 40 cidades do mundo – nos continentes Americano, Europeu e Asiático.
E, aqui, aproveitando a coluna da colega Carla – merecidamente gozando suas férias, aproveito para compartilhar o fruto deste trabalho.
A pesquisa, realizada no site booking.com, levou em consideração o valor de 10 dias de hospedagem nos referidos albergues – entre 20 e 30 de agosto de 2018.
A seguir seguem alguns preços. Espero que sirva de exemplo e, ou, inspiração – seja para quem almeja viajar em ‘carreira solo’ (comprando passagens ou reservando hotéis direto nos sites específicos para tal fim), ou, até mesmo, para quem prefere as ‘facilidades/segurança’ que as agências de viagem oferecem (ou, deveriam oferecer).
O menor custo para 10 dias de hospedagem foi encontrado em Hanoi, Vietnã: R$ 112,00 (R$ 11,2 a diária).
Em seguida, aparecem Moscou, Rússia, com R$ 120,00 e Bangkok, Tailândia, com R$ 125,00. No Brasil, é possível encontrar hostels no Rio de Janeiro e em Floripa por R$ 15 a diária.
O maior custo para hospedagem no período – considerando que trata-se da ‘alta temporada’ – foi encontrado em Amsterdã, Holanda: R$ 1..176,00. Dublin, na Irlanda, vem logo atrás com R$ 1.048,00. A ‘Cidade Luz’, Paris, fica por R$ 793,00 (ou R$ 73,9 a diária).

# Outros valores para 10 dias nos hostels MAIS BARATOS, entre 20 e 30 de agosto de 2018:
Lima – Peru (R$ 216); Budapeste – Hungria (R$ 389); Londres – Inglaterra (R$ 413); Gramado/RS (R$ 489); Havana- Cuba (R$ 303); Atenas – Grécia (495); Pequim – China (R$ 452); Barcelona – Espanha (785); Nova Deli – Índia (R$ 139). Lembrando que os preços sofrem variações diárias, conforme a demanda.

O que é um hostel?
Teria sido o professor alemão Richard Schirrmann quem iniciou o movimento alberguista, no início do século 20. Adepto das saídas de campo e passeios ao ar livre, ele acompanhava estudantes a idas ao interior da cidade e deparava-se com a falta de opções de estadia para os jovens.
Assim, tudo começou em 1912 – quando Schirmann inaugurou o primeiro albergue da juventude (ou “youth hostel”), no recém reconstruído Castelo de Altena.

 

Evolução
Nos dias atuais, porém, os termos “juventude” e “albergue/hostel” já não são necessariamente interligados. Recente pesquisa entre os clientes do HostelBookers revelou que 41% dos viajantes hospedados nestes espaços têm mais de 30 anos… Ou seja, o público-alvo já não é mais constituinte – preferencialmente – por times de futebol de colégio ou adolescentes comemorando o aniversário de 18 anos.

 

Baratinhos
Os hostels são baratos porque utilizam, em sua essência, espaços comuns onde você pode dividir o quarto com mais 10 pessoas (geralmente, cada um de um canto do mundo, em viagens internacionais), além de banheiro e cozinha compartilhados. No entanto, para quem prefere um pouco mais de privacidade, há opções de quartos privativos (que custarão mais caro – e, mesmo assim, menos do que as tarifas cobras nos tradicionais hotéis).
Para alguns viajantes, também é complicado pagar 3 refeições por dia na rua, então as cozinhas de uso comum tornam-se úteis para guardar e preparar sua própria comida.
Áreas de lounge e salas de jogos com TV, DVDs e livros são uma boa opção para relaxar depois de um longo dia de passeios turísticos. Então por que não passar uma noite “em casa” e poupar um dinheirinho para a festa da noite seguinte? É bem provável que você encontre outros viajantes legais e, em meio a uma boa conversa, troquem dicas e experiências preciosas – aquelas que os guias de viagem não costumam mostrar – e até arranjar parceiros para os próximos passeios e baladas.
O viajante moderno espera um serviço justo pelo seu investimento: sujeira, bagunça e desonestidade não são aceitáveis nem no mais barato dos estabelecimentos. Os hostels têm que manter sua reputação e oferecer o básico, caso contrário, no dia seguinte, críticas negativas estarão tomando conta de blogs, fóruns e nas redes sociais (antes de reservar sua hospedagem em qualquer lugar, avalie as avaliações dos usuários. No booking.com, os comentários são reais – até onde pude perceber).
Com cada vez mais concorrência, as propriedades estão oferecendo melhores serviços e instalações, como acesso a WiFi, terminais de computador, jogos, café da manhã e passeios pela cidade. Uma dica, aliás, é tomar um bom café da manhã – fazendo uma ‘base’ para o dia de ‘pernada’.
Então, quando programar férias com um orçamento econômico, não precisa pensar em uma simples cama para dormir. Procurando bem, você pode encontrar muita comodidade, por vezes ‘luxo’ e, com certeza, uma experiência inesquecível.

 

Dicas
# A maioria dos bons hostels de hoje investem para ser modernos e originais. Uma decoração diferente, atenção aos detalhes e um conforto quase caseiro são sempre bons diferenciais.
# Hospedagem barata também não significa ficar no fim do mundo, longe de tudo. Muitas propriedades estão bem no coração das cidades, perto das atrações turísticas e da vida noturna.
# Sim, existe algo como hostels românticos e, ou mais conscientes das questões ecológicas. Estes vêm identificados nos sites de busca.
# Bata o pé por bons serviços. Os hostels normalmente oferecem toalhas e roupas de cama gratuitas e WiFi, além de eventos como churrascos e bebidas com desconto no bar.

 

Por Salus Loch

Comentários estão fechados.