Bandeira quer discutir tamanho do Estado

Em passagem por Erechim, pré-candidato do Partido Novo apresenta propostas para o Piratini

Ex-diretor do Tesouro, secretário de Planejamento e presidente do Banrisul durante o governo de Yeda Crusius (2007-2011), Mateus Bandeira deve ser o candidato do Partido Novo para disputar a eleição estadual, em 2018. Em passagem por Erechim, o consultor – que falou a empresários na ACCIE – apresentou suas propostas para o RS, com ênfase à discussão sobre o ‘papel e o tamanho’ do Estado. ‘Precisamos de um Estado que intervenha menos e ofereça mais liberdades às pessoas, especialmente, àqueles que querem empreender’, resume. A seguir, os principais trechos do bate-papo com Bandeira, durante visita do pré-candidato à redação da rádio Cultura e jornal Boa Vista.

Na cabeça do eleitor

‘Segurança pública e o tamanho da despesa pública serão os temas norteadores das discussões de campanha no RS, em 2018. Precisamos reduzir o tamanho do Estado para que possamos investir em segurança pública e garantir acesso à educação e saúde’.

Colapso

‘São 47 anos de déficit consecutivo das finanças estaduais, interrompido exclusivamente por um ano no governo (Antônio) Britto, com receitas extraordinárias de privatizações em 1997 e três anos da Yeda (Crusius). Afora isso, a gente permitiu que o Estado crescesse, que as despesas crescessem num ritmo muito superior ao da receita. A gente conseguiu financiar isso com mais carga tributária, menos investimentos e mais dívidas. A gente está caminhando para o colapso social. Na hora em que o Estado não conseguir mais pagar a folha da segurança pública, e falta pouco para isso, a gente caminha para o colapso’.

 

Sartori candidato

‘Entendo que, caso o governo não viabilize sua proposta de reajuste fiscal, o governador Sartori não deve concorrer à reeleição’.

Coragem

‘Políticos só dizem que “falta dinheiro”, mas o que falta mesmo é coragem pra tomar decisões responsáveis e acabar com privilégios da elite do funcionalismo’.

Mudança pela política

‘O que estamos fazendo é ingressar na política por acreditar que a gente só faz mudança pela política’.

 

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais