Ministério Público Federal ingressa com ação civil pública contra prefeitura de Marcelino Ramos e CORSAN

O Ministério Público Federal em Erechim ajuizou ação civil pública contra a CORSAN e o Município de Marcelino Ramos para estancar o despejo irregular de esgoto doméstico no Rio Uruguai e para que seja regularizado o esgotamento sanitário no Município.  O despejo irregular de esgotamento sanitário no Rio Uruguai foi identificado pelo 2º Pelotão Ambiental da Brigada Militar de Erechim, que, na ocasião, constatou a existência de um depósito de água com coloração escura e características de esgoto urbano. Posteriormente, a FEPAM realizou vistoria no local e exames laboratoriais, confirmando que se tratava de esgotamento sanitário.

O Município é o titular do serviço público de esgotamento sanitário e em outubro de 2009 assinou contrato delegando a sua prestação à CORSAN, cabendo a ela, com exclusividade, implantar, fazer, ampliar, melhorar, explorar e administrá-lo.  “Apesar disso, quase uma década depois, a CORSAN não realizou nenhum investimento para a prestação desse serviço e para a implementação de um sistema coletivo de esgotamento sanitário e o Município de Marcelino Ramos nunca cobrou que a empresa cumprisse suas obrigações contratuais”, disse a procuradora da República Letícia Carapeto Benrdt.

Constatado o dano ambiental e caracterizada a responsabilidade de cada um, o Ministério Público Federal buscou uma solução extrajudicial para a questão e expediu Recomendação ao Prefeito de Marcelino Ramos e à CORSAN a fim de que, entre outras coisas, elaborassem projeto executivo de um sistema de esgotamento sanitário abrangendo todo o perímetro urbano, bem como de uma estação de tratamento de esgoto sanitário que atendesse as necessidades do município.

No entanto, esgotado o prazo, o Município e a CORSAN não se manifestaram sobre o acatamento das Recomendações e não atenderam nenhuma das medidas recomendadas. Pelo contrário, as manifestações encaminhadas demonstraram que optaram – sem os estudos pertinentes – pela adoção dos sistemas individuais como solução à questão, repassando todo o ônus ao particular, restando, assim, a via judicial como meio adequado para a busca do cessamento do dano ambiental e da regularização da prestação dos serviços de esgotamento sanitário.

Fonte: Portal de Marcelino Ramos 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais