Alunos e professor da Escola da URI participam de encontro internacional na França

A temática Educação Olímpica e valores olímpicos (Respeito, Amizade e Excelência) faz parte do cotidiano escolar e projetos desenvolvidos na Escola de Educação Básica da URI, desde 2009. Nesse período, a relevância de atividades artísticas, culturais, esportivas, curriculares, extracurriculares, formação continuada de docentes, dentre outras, chamou a atenção do Comitê Brasileiro Pierre de Coubertin e, em 2013, veio certificá-la como a primeira Escola Brasileira Pierre de Coubertin. Desde então, a Escola participa do Fórum Internacional da Juventude Pierre de Coubertin (International Pierre de Coubertin Youth Forum). O evento é realizado a cada dois anos sendo que em 2015 aconteceu em Piešťany, na Eslováquia, e em 2017, em Ülenurme, na Estônia.

A 12ª edição do International Pierre de Coubertin Youth Forum foi sediada na cidade de Mâcon, na França, entre os dias 24 e 31 de agosto. Na oportunidade, as delegações presentes puderam participar de atividades artísticas, culturais, esportivas e paraolímpicas, provas de conhecimento teórico, bem como de grupos de discussão sobre temáticas relevantes em todo o mundo. A delegação brasileira foi representada pelos alunos Rafaela Dumke, Naiane Ronsoni Rigo, Enzo Welang Bonassi e Gabriela Miotto Mustefaga, juntamente com o professor Edenir Serafini.

Durante o evento, o qual reuniu autoridades francesas, representantes da família real de Pierre de Coubertin, 150 alunos de 26 delegações e 25 países, um dos objetivos principais foi a socialização e troca cultural. Nesse sentido, a organização dos quartos e as mesas das refeições foram constituídas por um representante de cada país, justamente para fortalecer a troca cultural entre as delegações.

Valorizando a cultura de cada delegação participante, o Fórum oportunizou a apresentação de danças típicas de cada país, na praça principal da cidade, com a presença da população local e demais escolas. Também foi realizada a mini-expo, onde cada delegação organizou uma “feira” com produtos, roupas, comidas típicas e explanação de seus costumes, com troca cultural intensa e enriquecedora.

Na programação de provas esportivas, foram realizadas as modalidades de natação, cross country, corrida de 100 metros rasos, resgate da antiga modalidade do salto em distância com halteres, tênis de mesa, voleibol, basquete, futebol, esportes locais de remo/canoagem e a vivência em modalidade especial da bocha paraolímpica. O cronograma ainda contou com diferentes workshops de dança moderna, músicas típicas francesas, ginástica e elaboração do banner artístico do evento, um dos símbolos do Fórum, desde a primeira edição, na década de 1990.

Outro ponto importante do evento foi a discussão de tópicos com relevância a nível mundial. Para isso foram constituídos grupos, com um integrante de cada delegação, abordando o fair play (jogo limpo), como incentivar o olimpismo na escola, as políticas sociais, o meio ambiente, os temas de relevância socioambiental, o esporte olímpico/paraolímpico e a disseminação dos atuais e-sports ou jogos virtuais.

A delegação brasileira participou de forma louvável durante o fórum, atingindo os tempos e as marcas necessárias como requisitos para as provas esportivas, aprovação de todos os alunos na prova de conhecimento teórico sobre olimpismo, jogos antigos/modernos e ideais de Pierre de Coubertin. O grupo ainda teve um reconhecimento especial quanto ao envolvimento social aqui no Brasil, inclusive citado pela diretora do evento, Ines Nikolaus, em seu discurso, durante o cerimonial de encerramento do Fórum, momento no qual a aluna Rafaela Dumke foi uma das oradoras.

Os representantes da Escola trouxeram na bagagem medalhas, símbolos, histórias, cultura e um legado a ser dividido com toda a comunidade escolar e social, objetivando a difusão dos ideais e valores de Pierre de Coubertin.

Comentários estão fechados.