Memórias da Aldeia – O Combate de Quatro Irmãos

Foi no dia 13 de setembro de 1923 que o famoso Combate de Quatro Irmãos ocorreu. O fato, no entanto, começa cair no limbo do esquecimento e do jeito que as coisas andam, infelizmente, logo aí na frente, poucos saberão contar para seus filhos o que de realmente aconteceu nas paragens do norte gaúcho nos primórdios do século XX.
No ano de 1923, irrompeu no Rio Grande do Sul uma Revolução entre Chimangos (lenços brancos, republicanos, governantes) adeptos das ideias de Júlio de Castilhos (positivista); contra os Maragatos (lenços vermelhos, oposição, federalistas), adeptos das ideias de Assis Brasil e Silveira Martins.
A Revolução se propagou em todo o Estado gaúcho e teve como causa imediata as eleições fraudulentas de 1922 (não havia o voto secreto), que reelegeu pela quinta vez consecutiva o candidato republicano, Antônio Augusto Borges de Medeiros. A oposição (federalistas) não suportou o baque e foi às armas. As escaramuças iniciaram em Passo Fundo e Carazinho. Diversas foram as causas, entre elas elencamos:
1) A crise dos pecuaristas nos anos 20, do século XX (muitos foram a falência) por terem feito altos investimentos…
2) Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a pecuária gaúcha ia de vento em popa. Fortes exportações para a Europa e centro do Brasil. No entanto, com o fim da grande Conflagração Mundial, as exportações caíram abruptamente, sinalizando grave crise econômica e política.
Na região norte do Estado, tivemos dois acirrados combates. O primeiro aconteceu em Desvio no Giareta (hoje Bairro Peccin), em 23 de junho de 1923. O Segundo em Quatro Irmãos, no dia 13 de Setembro de 1923. Em ambos os combates a vitória ficou com os Maragatos (comandados por Felipe Nery Portinho). Isso significa dizer que o governo de Borges de Medeiros sofreu uma acachapante derrota no norte do Rio Grande do Sul. Oportunamente darei os detalhes, circunstâncias e como aconteceram ambos os combates.
Interessante observar que, em abril de 1923, os Maragatos invadiram a cidade dos Bota Amarela (à época Boa Vista do Erechim). O Intendente de Boa Vista de Erechim, Celestino Francos e os funcionários municipais, foram se refugiar de trem na cidade de Passo Fundo. Os Maragatos tomaram a nossa Prefeitura sem resistência nenhuma e lá empossaram o Intendente revolucionário Sr. Themístocles Celso Ochoa, que governou o município de abril até setembro de 1923.
Neste ano fatídico, nenhuma criança frequentou escolas por absoluta falta de segurança. Tanto os chimangos, quantos os maragatos, chegavam e se apossavam da melhor mula, do melhor cavalo, do melhor boi (para fazer churrasco) e saciar a fome que era grande… Chegavam armados e iam pegando tudo de “forma natural”, como me contaram muitos pioneiros que foram vítimas desses saques! Obrigavam as mulheres a fazerem almoço e janta…
Além do mais, recrutavam os pais de famílias para seguirem a frente de combate! Era comum os homens ficarem escondidos no mato, no meio das taquaras ou dentro de tocas…
Foi o ano mais sombrio e tenebroso que os Bota Amarela já presenciaram na nossa querência amada, berço sagrado que abrigou a vida de nossos avós e bisavós! O medo, os saques e abusos forjaram em nosso íntimo a coragem necessária para enfrentar as escaramuças e adversidades da vida, sem perder a alegria natural de viver…

 

Por Enori Chiaparini

Comentários estão fechados.