250 novos leitos SUS no Santa Terezinha: (Mais um) bom motivo para votarmos em candidatos locais

A Fundação Hospitalar Santa Terezinha de Erechim (FHSTE), detentora de diversos serviços de alta complexidade, é referência para a 11ª, 15ª e 19ª Coordenadorias Regionais de Saúde, atendendo a 85 municípios gaúchos num total de 600 mil habitantes. Há quem diga, aliás, que tamanha abrangência coloca o Hospital como um dos maiores ‘planos de saúde’ do interior do Estado – com um detalhe importante: é 100% público, ou quase isso.
Em razão da crescente demanda, somado ao início das aulas do curso de Medicina em Erechim, a FHSTE vive um momento ímpar – permitindo que a casa de saúde sonhe em alcançar um novo patamar, com benefício a toda região.
Todavia, para chegar lá, o Hospital precisa, ao lado de uma gestão austera e profissional, receber aportes financeiros vultosos. Para isso ocorrer, queiramos ou não, a via é política e passa por Brasília, onde está concentrado o ‘grosso’ dos recursos gerados no país.
Pilar decisivo neste ‘salto’ do Santa é o projeto que prevê a construção de um complexo com 250 novos leitos e anexos de apoio, num investimento previsto de mais de R$ 109 milhões, em seis anos.
Sim, R$ 109 milhões! E aqui o caldo entorna.
Por se tratar de coisa pública, será fundamental que a região tenha ‘café no bule’ para bancar o pleito, ou, ao menos, alguém que faça a roda girar junto ao governo federal e a própria bancada gaúcha no Congresso.
Desta forma, sem um representante legitimamente comprometido com a causa, as chances do projeto avançar na velocidade necessária revelam-se reduzidas. Quiçá, nulas.
O bom é que o Norte do Estado – considerando os 85 municípios atendidos pela FHSTE – tem a chance de garantir um mandato federal para este representante em 7 de outubro.
Afinal, há – só do Alto Uruguai – seis candidatos a deputado federal. Precisamos escolher um deles. De preferência, o mais capaz, apto e viável eleitoralmente, a fim de que nos represente. A fim de que lute pelo Santa Terezinha como quem luta por um prato de comida.
Alguém daqui – e que faça acontecer por aqui, em prol de nossa comunidade.

O projeto
Elaborado e apoiado por lideranças da região, sob uma perspectiva integrada e em rede na área de abrangência, o projeto assegura melhor assistência, mais qualidade, segurança e conforto aos usuários do SUS, médicos e colaboradores.
A proposta prevê a construção de uma nova torre de 17.106 m2 (com 17 andares) e mais 2 mil m2 de áreas de apoio, numa área total de 19.106 m2. Além dos 250 novos leitos, o prédio – a ser erguido na antiga sede do Sindicato da Alimentação, ao lado do próprio Santa – reunirá o setor administrativo, Imaginologia, laboratório, restaurante, serviço de nutrição e dietética e até um heliponto na cobertura.
O secretário da Saúde de Erechim, Jackson Arpini – que já esteve em Brasília, ao lado do prefeito Schmidt, apresentando o projeto ao ministro da Saúde – lembra que nos últimos anos o caminho da modernização do hospital vem sendo trilhado, haja visto, entre outros, a construção, em 2015, do novo bloco cirúrgico, com 10 salas; e o início da 1ª turma de residência médica, no mesmo ano. Além disso, somado à instalação do novo tomógrafo, está em curso o processo de certificação da instituição como hospital de ensino, o projeto de ampliação do Pronto Socorro, as ampliações dos leitos de UTIs, bem como a conclusão da UNACON, prevista para breve.
Tais conquistas credenciam o hospital para este ousado voo; agora, só depende da população canalizar suas forças (e votos) para darmos este importante e decisivo passo. Da região para a região.

 

Por Salus Loch

Comentários estão fechados.