Estudantes do Marista Medianeira participam de Simulação da ONU

               Dentro das ciências humanas, o diálogo e a resolução de conflitos são práticas necessárias e que asseguram a criação de soluções autônomas e legítimas para as mais diversas situações enfrentadas por uma comunidade, por uma nação e pelo mundo todo. Pensando em despertar e estimular este pensamento em nossos estudantes, que levem a ações concretas de mudança para o bem comum, além de desenvolver habilidades para além da sala de aula, como liderança e criatividade, o Marista Medianeira participará do projeto “Simulação das Nações Unidas”, promovido pela instituição Internationale Negotia, de Brasília/DF.

            O projeto é desenvolvido através de simulações de conferências da Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil, realizadas com estudantes de diversas escolas, do Ensino Fundamental ao Ensino Superior. Dezenove estudantes do 9º ano EF e do Ensino Médio do Marista Medianeira irão participar da etapa regional da simulação, organizada para os colégios maristas, no Colégio Marista São Francisco, em Chapecó/SC, nos dias 31 de agosto e 1º setembro de 2018.

            “Acredito que a simulação irá contribuir muito para nossa formação como pessoas, mostrando a diversidade de pensamentos e também a importância da conversa para a resolução de problemas. Será uma ótima oportunidade de exercer a oratória, além de voltarmos com uma bagagem cultural mais ampla e diversificada”, afirma nossa estudante do 2º ano do Ensino Médio, Maria Eduarda Leite.

A Simulação na prática

            Após a inscrição, os estudantes receberam um tema previamente selecionado, referente a um problema enfrentado por algum país. Cada estudante terá cerca de um mês de preparação para pesquisar e buscar informações sobre o assunto e, deverá apresentar seus argumentos no dia da simulação, diante dos demais membros que participam do evento, para serem desenvolvidas hipóteses e possíveis soluções.

            “A simulação é um momento importante para o estudante, uma vez que ele tem a oportunidade de discutir sobre temas atuais com pessoas de contextos diferentes do seu. Além disso, ao ter que se posicionar sobre temas a partir de um ponto de vista específico, o do país que ele representa, ele conhecerá realidades diversas e poderá refletir sobre os problemas de tais comunidades. Esse conhecimento é fundamental para que haja respeito às diferenças e ao próximo. “

            Ao final dos dois dias de conferência, serão escolhidos representantes que irão à Brasília participar de uma simulação nacional. Desta simulação, será selecionado um participante vencedor de todo o evento, que receberá como premiação uma viagem para conhecer a Universidade de Harvard, situada em Cambridge, no estado de Massachusetts, nos EUA.

            Para a estudante Milena Brandão, do 9º ano, o evento será uma experiência nova e muito interessante. “Eu espero aprender muito com essa simulação e me tornar uma pessoa com um novo olhar, com um novo ponto de vista sobre as coisas.”

Comentários estão fechados.