Tecnologia, gestão e resultados: Dia da Indústria reflete mudanças necessárias para crescimento e expansão industrial

A retomada do crescimento e fortalecimento das empresas pauta o Dia da Indústria, comemorada no dia 25 de maio. Talvez o cenário não seja diferente dos últimos anos, no entanto, as inovações tecnológicas da indústria 4.0 possibilitam um cenário desafiador, concentrado nas mudanças marcadas pelo mundo contemporâneo e oferecidas a fim de sobreviver e prosperar dentro do atual e competitivo mercado de trabalho. Mas, muito além disso, o que marca a data é a chamada 4ª Revolução Industrial, que chega para oferecer autonomia no dia a dia dos gestores.

Para entender um pouco desta nova era, relembremo-nos da 1ª Revolução Industrial que marcou o início da máquina a vapor impulsionando o surgimento das indústrias, que sobrepunham o então trabalho de manufatura. A 2ª, por sua vez, trouxe a produção em série, entre os avanços desta época, podemos destacar a energia elétrica, o motor à explosão, o aprimoramento de meios de comunicação com o surgimento de telégrafo e a metalurgia. Já a 3ª Revolução Industrial é lembrada pela avanço da ciência, da tecnologia, da informática, da robótica e da eletrônica. A 4ª Revolução Industrial, contudo, está por vir. Promete inovações tecnológicas e produção de forma autônoma, no sentido de que as fábricas serão inteligentes a ponto de adaptar e poder planejar produção, manutenção, monitoramento remoto, sistemas e comandos cyber-físico e etc.

Recentemente em uma missão internacional na Alemanha e na Itália, a Unindústria oportunizou que empresas associadas pudessem conhecer mais desta nova geração tecnológica, que desempenha papel importante na competitividade corporativa. Esse novo cenário inclui uma ampla gama de mudanças. Para o diretor presidente da Unindústria, esta é uma grande revolução que desafia gestores a permanecer em constantes atualizações para o competitivo mercado. De acordo com ele, a indústria que não se preparar para essas tecnologias sofrerá com a concorrência internacional. “O grande desafio é fazer com que a indústria possa ser inserida nessa revolução tecnológica, principalmente no que se refere a inteligência artificial e internet das coisas, hoje chamada de indústria 4.0. A produção também está aliada a isso, uma vez que as máquinas são a inteligência artificial. O planejamento e a engenharia serão criados por esses equipamentos e num futuro próximo as máquinas estarão competindo com a inteligência humana. Muitas das profissões atuais estarão desaparecendo. É bom que as pessoas percebam isso e encarem este novo desafio. Do mesmo modo que algumas profissões irão desaparecer, surgirão novas, que exigirão qualificação e treinamento”, explicou o presidente da Unindústria.

Neste sentido e fazendo um gancho com a indústria local, Badalotti destaca que é preciso retomar o crescimento e a confiança por parte do empreendedor e do investidor. Ele pondera que a indústria local tem experimentado um aumento muito tímido no início deste ano e que, embora tenha expectativa de crescimento lento, há esperança de que este seja um bom ano. Ele liga isso a alguns fatores, como copa do mundo, eleições presidenciais e decisões judiciais da lava jato, que serão indicadores para gerar confiabilidade ou não dos investidores estrangeiros. “São eles que alavancam a economia e estes investimentos de fora só virão se o índice de confiança aumentar. Isso está inevitavelmente atrelado a estes acontecimentos”, explicou.

Para o diretor presidente da Unindústria, outro ponto importante é “buscar junto aos órgãos uma reforma tributária que nos permita sermos competitivos com produtos vindo de outros países.

Precisamos que o custo do Brasil diminua, seja por meio da burocracia, licenciamento, infraestrutura etc. Temos um custo alto, que nos tira do mercado internacional e reduz resultados”, disse.

25 de maio, Dia da Indústria

Criada em homenagem a Roberto Simonsen, que faleceu nesta data, no ano de 1948, em meio a uma atividade em defesa da indústria, marca uma história vivida a favor e em luta pelo setor industrial. Roberto criou o Centro das Indústrias de São Paulo (Ciesp), o Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Escola Livre de Sociologia e Política. Durante as décadas de 30 e 40 foi ele quem impulsionou e incentivou que o Brasil fabricasse produtos que, até então, eram importados da Europa e América.

Hoje, portanto, a Unindústria, que tem como objetivo de congregar os interesses das indústrias e agentes integrantes da cadeia de produção das atividades das associadas, as parabeniza, por meio de suas empresas e indústrias que prezam por trabalho de qualidade, gerando emprego, oportunizando mão de obra qualificada e um produto final de excelente qualidade. Parabéns às associadas da Unindústria pelo Dia da Indústria.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais