TRE decide, por unanimidade, manter o Prefeito e o Vice-Prefeito de Getúlio Vargas nos cargos

Foi julgada improcedente, por unanimidade, a ação de investigação judicial eleitoral que acusava o Prefeito de Getúlio Vargas, Maurício Soligo, o Vice-Prefeito Elgido Pasa, e o ex-prefeito Pedro Paulo Prezzotto, de abuso de poder político. As sanções eram inelegibilidade por oito anos e cassação dos diplomas de prefeito e vice-prefeito.

Em sessão do Tribunal Regional Eleitoral – TRE -, realizada na tarde desta terça-feira, 21 de novembro, em Porto Alegre, os juízes, por unanimidade, afastaram as questões preliminares e, de ofício, reconheceram a decadência do direito de ação relativamente à Representação nº 305-18.2016.6.21.0070, excluindo a pena de multa imposta, bem como o Partido dos Trabalhadores e a Coligação União por Getúlio Vargas da posição de litisconsortes que ocupavam na AIJE nº 563-28.2016.6.21.0070.

No mérito, deram provimento aos recursos de Mauricio Soligo, Elgido Pasa e Pedro Paulo Prezzotto, a fim de julgar improcedente a ação de investigação judicial eleitoral, por entender que as circunstâncias não possuem gravidade suficiente a configurar abuso de poder político, e afastar as sanções cominadas na sentença. Também foi determinada a exclusão da pena de multa imposta a Mauricio Soligo e Elgido Pasa e à Coligação União por Getúlio Vargas.

Desta forma, o Prefeito Mauricio Soligo e o Vice-Prefeito Elgido Pasa continuam exercendo seus mandatos à frente do município de Getúlio Vargas.

Atuaram na sessão de julgamento do TRE os advogados Dr. Paulo Roberto Cardoso Moreira de Oliveira e Dr. Daniel Presotto Gomes, nas defesas de Mauricio Soligo e Elgido Pasa e Pedro Paulo Prezzotto, respectivamente.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais