Felipe Fioravante Filippini é ordenado padre para a Diocese de Erechim

 

Poucos dias depois do início de seu ministério episcopal na Diocese de Caxias do Sul, Dom José Gislon retornou à diocese de Erexim para ordenar padre o Diácono Felipe Fioravante Filippini, na noite deste 20 de setembro, feriado no Rio Grande do Sul, em missa na Catedral diocesana, no ano do centenário de criação da Paróquia. A missa foi concelebrada por 37 padres, com a participação de 7 diáconos, seminaristas, religiosos e religiosas, familiares do novo padre e muitas pessoas de sua comunidade de origem, Cristo Rei, da Paróquia da Catedral, e de outras nas quais desenvolveu atividades pastorais como seminarista e como diácono. Pe. José Carlos Sala e equipe animaram os cantos da celebração.

Após a proclamação da palavra, Pe. Clair Favreto, Reitor do Seminário Maior São José da Diocese, solicitou ao Bispo que ordenasse padre o diácono Felipe.

Acolhido o pedido, na homilia, Dom José, depois de ampla saudação aos diversos grupos participantes da missa, expressou gratidão a Deus pela oportunidade de ordenar um novo padre. Recordou que no peregrinar da vida, há riscos à vida de fé e obstáculos que põem à prova o testemunho e a vida cristã. Ressaltou que o sacerdócio ministerial é graça divina para a obra da Igreja, conferido a pessoas do meio do povo para atuarem em seu favor em nome de Cristo. Enfatizou a importância e a necessidade vital da oração para o presbítero viver com perseverança e fidelidade o ministério presbiteral. (Abaixo, íntegra da homilia de Dom José).

Na sequência do rito de ordenação, houve o canto da ladainha de todos os santos, a imposição das mãos sobre o ordenando e a oração, a unção das suas mãos, entrega da veste presbiteral e do pão e do vinho para a missa.

No final da celebração, o novo padre foi saudado pelo coordenador da Pastoral Presbiteral, Pe. Dirceu Balestrin, acolhendo-o na família presbiteral da Diocese de Erexim. Convidou Pe. Edegar Passaglia, o último ordenado na Diocese, a entregar-lhe uma lembrança. Reni Giareta Oleksinski, falou pela Paróquia Imaculada Conceição de Getúlio Vargas, onde o novo padre atuava como diácono e passará a trabalhar como Vigário Paroquial. Manifestou gratidão a Deus pelo dom da ordenação do novo padre que assumiu o chamado de Deus com perseverança e coragem. Por seu ministério, tornará Cristo presente no meio do povo. Recomendou-lhe lembrar sempre da Virgem Maria, a Mãe dos sacerdotes.

Por fim, o novo padre dirigiu sua mensagem aos presentes. Externou agradecimentos diversos, especialmente a seus pais e familiares, à Diocese de Erexim, aos formadores, às comunidades nas quais atuou como seminarista e como diácono. Ressaltou o amor de Deus por todos e a resposta generosa que a Ele se deve dar, numa vocação específica. Resposta que é dada com sua graça e a ajuda de muitas pessoas que Ele mesmo coloca na caminhada de cada um.

Concluída a celebração, houve confraternização no subsolo da Catedral.

————————–.

Íntegra da homilia de Dom José

Ordenação Sacerdotal

Catedral São José, Erechim, 20-09-2019

Diácono Felipe Filippini

Lema: “Somos mais que vencedores graças àquele que nos amou” (Rm 8,37).

Saúdo o Pe. Antonio Valentini Neto, Administrador Diocesano; o Pe. Clair Favreto, Diretor e formador do Seminário São José; o Pe. Giovani Momo; promotor vocacional da Diocese; o Pe. Valtuir Bolzan, pároco da Paróquia Imaculada Conceição de Getúlio Vargas; o Pe. Alvise Follador, pároco da Paróquia Catedral São José, e através dele saúdo todos os sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e seminaristas presentes. Saúdo os ministros e ministras extraordinários da sagrada comunhão eucarística, as catequistas, as zeladoras de capelinhas, os que estão envolvidos nas pastorais e movimentos, os membros dos Conselhos e as autoridades civis aqui presentes ou representadas.

Com estima, saúdo os pais do Diácono Felipe Filippini, que será ordenado sacerdote, o senhor Benjamim Ari Filippini e a senhora Ivanilde Ana Zuchi Filippini; seu irmão Rodrigo, sua irmã Daiane, sobrinhos e outros familiares aqui presentes. Sei que alguns vieram de longe para participar deste momento tão bonito e marcante na tua vida, Felipe, mas também na vida da tua família, da comunidade Cristo Rei, do Lajeado Paca, onde tu viveste a tua infância e sentiste o chamado de Deus para abraçar a vocação sacerdotal, de servir o Senhor, servindo a Igreja povo de Deus. Podemos dizer que este é o ano da graça para a Paróquia São José – Catedral, que recentemente celebrou o seu Centenário, e hoje nos acolhe para louvarmos e agradecermos a Deus, pelo dom da vocação sacerdotal de um de seus filhos.

Saúdo os irmãos e irmãs da Paróquia São José, Catedral, que nos acolhe com o coração em festa; os paroquianos da Paróquia Imaculada Conceição, de Getúlio Vargas, onde o Diácono Felipe Filippini está exercendo o seu ministério; o querido povo de Deus que veio das várias comunidades da Diocese de Erexim e de outras, para agradecer a Deus pelo dom da vocação sacerdotal e a graça de podermos impor as mãos e ordenarmos um novo sacerdote para servir o Senhor, servindo os irmãos na Igreja comunidade de fé.

Quero trazer presente, neste momento, todos os enfermos e seus familiares, os benfeitores das vocações, lembrando também aqueles e aquelas que já partiram para receber o abraço da misericórdia do Cristo sacerdote, na casa do Pai.

Queridos irmãos e irmãs, no peregrinar da vida, a fortuna e o sucesso podem nos fazer perder a fé e esquecermos a presença de Deus na nossa vida. Mas, é, sobretudo, a contrariedade e a dor que geram desconforto e distância do Senhor. Também o apóstolo Paulo passou por estas tentações e provações e elenca sete dificuldades experimentadas: “a tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo e a espada”.

Cada um de nós poderia alargar esta lista, com várias outras situações que muitas vezes colocaram e colocam à prova a nossa adesão a Cristo. Podem ser o medo de perder ocasiões e oportunidades de sermos “felizes”, o desânimo e até o cansaço diante da constatação das próprias fragilidades e misérias morais; a vergonha que induz a não admitir serenamente os próprios erros; o remorso que tira a paz do nosso coração, nos angustia, nos leva ao desespero, e faz crescer em nós a incerteza de ainda sermos amados por Deus.

Como cristãos, podemos optar pelo caminho da resignação, ou alargar o horizonte da nossa fé, para poder dizer com convicção: “Nada poderá jamais me separar do amor de Deus, que se manifestou em Cristo”. Estamos aqui participando de uma celebração eucarística, na qual um filho desta Igreja será ordenado sacerdote. A Igreja como comunidade dos crentes, como povo pertencente a Deus, é um sacerdócio régio. No seio desta comunidade, alguns são destinados e consagrados para desenvolver o sacerdócio ministerial. Mas a participação no sacerdócio de Cristo, recebida no sacramento da Ordem, não torna aqueles que o recebem – os sacerdotes – melhores cristãos ou mais elevados. A existência sacerdotal alimenta-se da vontade de o Senhor confiar o ministério salvífico a homens frágeis, enquanto instrumentos, e de acolhê-los no seu seio pela sua dedicação. O centro permanente e alicerce da existência sacerdotal só poderão tornar-se claros, quando e onde forem concebidos, a partir de Jesus Cristo e em ordem a Ele. Assim como o Pai enviou o seu Filho ao mundo, para agir em seu nome, assim também envia o sacerdote para agir da mesma forma.

Faz parte de quem exerce ministério sacerdotal ser homem de Deus, encorajar os irmãos e irmãs a superarem o esquecimento de Deus, e ajudá-los a transformar a humanidade, infundindo nos seus corações uma esperança viva, apesar de todas as dificuldades e fragilidades que encontram no peregrinar da vida. O sacerdote é o homem de Deus, o homem da fé, o homem da Igreja povo de Deus. Ele é chamado a estar, simultaneamente, próximo de Deus e próximo das pessoas. O seu ministério tem por objetivo guiar os homens e as mulheres a uma esperança cada vez maior, revelar-lhes um horizonte sempre mais amplo e uma perspectiva à luz da fé em Cristo Jesus.

O dever e a missão do sacerdote exigem a plena fidelidade a Cristo e a íntima união com Ele. O sacerdote é chamado a ser “amigo de Cristo”. A fidelidade do sacerdote brota da amizade intima com Cristo e torna-se possível pelo fato de ele permanecer próximo dele no seu amor. Ser/estar em Cristo significa acolher a sua força para poder agir em seu nome e, assim, dar muito fruto. Somente nesta amizade viva com Cristo é que o sacerdote poderá realizar a sua missão de “enviado de Cristo”. Toda a sua vida deve ser um exercício na amizade com Jesus. De tal modo, ele toma as suas decisões e projeta a sua vida, inspirando-se na figura de Cristo, que se transforma na figura do amor de Deus na história. Quando o sacerdote vive de Cristo, pode conduzir os irmãos e irmãs a seu Redentor. Pode percorrer um longo caminho como sacerdote sem nunca se cansar.

Caro Diácono Felipe, serás ordenado sacerdote depois de um longo caminho de formação e provações. Penso que perseveraste, porque acreditaste em primeira pessoa na tua vocação, no chamado que o Senhor fez ao teu coração: “Vem e segue-me”. Tem presente que o exercício do ministério pastoral pode ser estressante na vida cotidiana, e te custar muito esforço. Por isso precisarás da força da oração para perseverar. Quando se deixa de lado a oração, a esperança enfraquece, pode tomar lugar na tua vida e missão um sentimento de impotência que leva à resignação e à perda de sentido do ministério sacerdotal. Quando não se vê a importância da oração na vida sacerdotal, acabam por dominar na vida do presbítero a preocupação e o interesse por tantas outras coisas, menos com o cuidado da sua vida de homem de Deus.

A oração é, portanto, recurso indispensável para reconhecermos com maior clareza muitas coisas e termos diante dos nossos olhos aquilo que é essencial e importante. Ela nos ajuda a não nos deixarmos cair na inércia, a não perder a paixão e a impedir que a nossa fé seja suplantada pelas coisas vãs do mundo. Cultiva sensibilidade e compaixão pelo povo que te for confiado no teu ministério sacerdotal. Não esqueças que recebeste o Sacramento da Ordem para estar a serviço da Igreja povo de Deus. Não tenhas medo de ir em busca da ovelha perdida e muitas vezes ferida no corpo e na alma. Ajuda os fiéis a percorrerem o caminho da vida que os conduza à casa do Pai, e vive o teu ministério com alegria, como graça de Deus, para a tua santificação e a do nosso querido povo.

Que a Virgem Maria, mãe do Cristo Sacerdote, te proteja e te acompanhe na tua vocação e missão sacerdotal, e interceda a Deus copiosas bênçãos sobre todos nós e novas vocações ao sacerdócio.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais