Acervo do museu de Gaurama desperta a fantasia dos visitantes

Calculadora da década de 50 é uma das peças que faz o visitante viajar no tempo

As calculadoras hoje se encontram em forma de relógios, virtuais, nos celulares e smartphones. Existem de vários tamanhos e com muitas tecnologias diferentes, porém, ela nem sempre foi assim.

O museu de Gaurama possui verdadeiras relíquias em seu acervo. Um exemplo é uma máquina de calcular  que foi adquirida para o setor de contabilidade da prefeitura, quando o município foi emancipado em 1954.

“Diante dela muitos são os questionamentos que vem em nossa mente. Como ela calculava? O que cada manivela fazia? Como seria a utilização dela na prática? Ao ver essa peça, o comparativo às calculadoras que temos hoje à disposição, é normal, mas ela guarda essa magia, essa capacidade de nos fazer questionar, imaginar e viajar no tempo”, comenta Elisiane Gnovatto, coordenadora de atividades culturais.

O Museu Municipal Irmã Celina Shardong, funciona conforme o horário da prefeitura, porém, existem horários especiais de atendimento, principalmente para atender a grupos turísticos que visitam o município.

“Atualmente, estão em exposição, peças que remetem a algumas profissões que fizeram parte da economia de Gaurama e de muitos outros municípios, mas que hoje, deixaram de existir. O acervo do museu é muito rico e as pessoas podem se surpreender com a quantidade de histórias e memórias que estão à disposição. São objetos, manuscritos, documentos, mais de 2 mil fotografias que relatam a história de Barro Gaurama e muito mais. Estamos a disposição para mostrar essa riqueza cultural que o governo municipal faz questão de manter”, diz a diretoria de Cultura, Gladis Helena Wolff.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais