Não podemos achar que estamos voltando à normalidade, alerta presidente da Famurs

Dudu Freire diz confiar nas novas medidas apresentadas pelo governo do RS, mas pede cautela à população

Na avaliação do presidente da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e prefeito de Palmeira das Missões, Dudu Freire, a decisão tomada pelo governador Eduardo Leite de um novo ‘distanciamento social controlado’ foi bem recebida pela entidade que representa as 497 prefeituras gaúchas. O motivo, na avaliação de Freire, é que as decisões do governo do Estado “seguem baseadas em parâmetros técnicos”.

“Nós estamos mantendo estas exigências, do grupo técnico criado pelo governo do Estado. E sim, defendemos que a prioridade seja a vida e a saúde dos gaúchos. O governador tem mostrado pesquisas e análises que podem mensurar os efeitos atuais da pandemia. Então, estamos confiando que estas medidas sejam seguras no momento”, defende.

Para o líder dos prefeitos, praticamente nada muda com a flexibilização proposta ontem, mas alerta para uma possível consequência. “Agora as pessoas não podem ter este sentimento de que está voltando a normalidade. O governador têm combatido isso também. E não podemos colocar tudo em risco”, avisa. “O que nós (prefeitos) mais tememos é não ter condições de atender a demanda por uma antecipação do pico de casos da doença. O maior problema é o colapso no sistema”, preocupa-se. O prefeito se manifestou pedindo uma espécie de trégua das organizações que têm se manifestado de forma mais incisiva contra o isolamento.  “Que as entidades representativas atuem com bom senso”, sugere.

De fato, ontem, durante a coletiva, Leite também chamou a atenção para uma “leitura equivocada” da pandemia. “Tenho observado que algumas pessoas têm feito uma leitura equivocada do novo coronavírus. O vírus não vai passar, ele está entre nós. Vamos conviver com ele e precisamos do apoio da sociedade e da comunidade para evitar que o volume de contágio ultrapasse a capacidade hospitalar”, ponderou.

O governador apontou, ainda, que a metade de 2020 será de dificuldades para o Rio Grande do Sul em relação à pandemia. “Em junho, vamos viver um momento difícil e julho será um período ainda mais crítico. Se não houvesse o distanciamento social, nós teríamos, ao final do mês de abril, 350 mortes. Apenas lembrando que o vírus não vai passar. Não é uma questão de ficar em casa e tudo bem. Vamos ter que mudar hábitos e nos distanciar, até porque uma vacina demora para ser criada e distribuída”, completou.

Fonte: Correio do Povo

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais