Aula inaugural de Filosofia da UFFS tem debate e lançamento de livro

Obra é resultado de colóquio realizado há 2 anos na Universidade. Evento na terça-feira teve palestra de professor da Unijuí

Dezenas de pessoas lotaram o Auditório do Bloco dos Professores da UFFS – Campus Erechim na noite da terça-feira (20). O motivo foi a realização da aula inaugural do semestre do curso de Filosofia, que teve como convidado o professor Paulo Rudi Schneider, da Unijuí. O tema do evento foi “Filosofia e Universidade”.

De acordo com o coordenador do curso, Marcio Soares, o intuito da aula foi reunir toda a comunidade acadêmica e regional em um espaço de debate, enfatizando a relação da filosofia e da universidade. “Convidamos o professor Paulo Rudi Schneider, que foi colega e professor de alguns dos nossos docentes aqui do Campus, e é alguém que há mais de 20 anos vem estudando sobre o tema”, diz. Segundo o coordenador, “é sempre importante debater qual a função da universidade na sociedade, e qual a função da filosofia dentro da universidade”.

Soares aponta que o diálogo com este campo é importante para todas as áreas do conhecimento, o que necessita de atenção por parte de todo pesquisador. “A filosofia não é um campo de saber que produz tecnologia específica, ou que produz conhecimento científico de alguma área específica. Ela é um saber que historicamente antecedeu as ciências, e na medida disso ela ocupa um outro lugar no contexto da universidade que as demais áreas científicas”, enfatiza o professor. “A ideia do evento é exatamente demonstrar o potencial e a importância da filosofia não só em termos históricos, mas em termos sistemáticos e teóricos: as potencialidades da filosofia como uma área específica, mas também como uma área que pode dialogar ou trazer contribuições para todas as outras.”

Soares exemplifica com o caso de um estudante de engenharia. “Primeiro, é preciso colocar que este estudante está em uma área específica da ciência, e esse simples fato, de ele estar se apropriando de um discurso científico acumulado, traz problemas teóricos que a própria área da ciência, ou a área da engenharia, não resolve”, analisa. “São pressupostos discutíveis em outro campo teórico. Esse outro campo teórico é a filosofia.”

Para o palestrante da noite, professor Paulo Rudi Schneider, a importância de se debater a filosofia e a própria universidade pode ser evidenciada tendo como pressuposto a constituição dessas instituições nos dias de hoje, mais especificamente no Ocidente. “A universidade como um núcleo pensante da própria civilização greco, latina e judaico-cristã foi sempre um centro de debate a respeito dos rumos da sociedade e do pensamento humano – tanto na teologia como na filosofia, como depois na sociologia e com as ciências em geral”, explica Schneider. “Desde o começo a universidade tem o sentido de abarcar todo o conhecimento humano, e sobre ele refletir, implementar esse conhecimento e democratizá-lo para a população. Nessa relação, a filosofia tem um papel fundamental porque os grandes teóricos de hoje ainda dizem que todo o conhecimento tem a sua origem na própria filosofia.”

Schneider afirma que o Brasil tem poucos prêmios Nobel porque tem um ensino pragmático e que não reflete sobre os fundamentos dessa praticidade. “O resultado disso é a defasagem teórica e intelectual. Em todas as áreas científicas, em todos os povos que são expoentes na ciência e na tecnologia, eles o são porque têm um ensino com a capacidade de refletir sobre os conceitos e de fazer inovações a partir desses conceitos modificados. Qualquer inovação científica, em qualquer área do conhecimento, só é possível pela reconstrução conceitual dessa prática científica existente. Se não, não se tem inovação nenhuma”, diz.

Livro

A aula inaugural serviu também como lançamento do livro “Hermenêutica e Filosofia Primeira”, organizado pelos professores Joice Beatriz da Costa e Ricardo Lavalhos Dal Forno. A obra é resultado do IV Colóquio de Filosofia na UFFS. A professora Joice explica que o evento teve a participação de nomes renomados da área no Brasil, como Ernildo Stein e o próprio Paulo Rudi Schneider. “Trata-se de uma produção muito interessante porque as palestres proferidas pelo professor Stein, por exemplo, foram transcritas. Há também o caso de um minicurso em que a temática foi a metafísica, que é bastante importante na filosofia e para outros cursos também. O minicurso teve um caráter bastante introdutório, e isso é bastante significativo agora com a publicação deste livro”, destaca Joice.

A versão digital do livro pode ser baixada gratuitamente no site da Editora Fi: https://www.editorafi.org/276filosofiaprimeira.

Comentários estão fechados.