Aparição de N. Sra. da Salette celebrada de forma restrita em Marcelino Ramos

No final do ano vocacional e início do ano mariano da Congregação dos Missionários da Salette em preparação dos 175 anos da aparição de N. Sra. nas montanhas da Salette, em França, o Santuário de Marcelino Ramos desenvolveu atividades com a participação presencial de poucas pessoas, neste sábado, 19, mas com a participação virtual de muitas outras pelas redes sociais e rádios, também de fora do País.

A programação do dia foi a seguinte: Às 07h, oração da manhã; às 10h, missa solene presidida por Dom Adimir Antonio Mazali, Bispo Diocesano de Erexim, concelebrada por 5 padres saletinos e um diocesano, com a participação de um diácono, noviços e pessoas necessárias para as diversas funções; às 15h, recitação do terço; às 19h30, momento de fé e devoção com bênção com o Santíssimo Sacramento. Todos os atos foram transmitidos por redes sociais e por rádio. A missa teve mais de 8.000 visualizações. Mesmo o Santuário estando fechado por causa dos protocolos de prevenção à Covid-19, fiéis, com o devido distanciamento, ficaram em oração no espaço das imagens externas em frente ao recinto durante as celebrações, especialmente a missa.

No início da missa, foram introduzidas as bandeiras do Brasil, do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e de Marcelino Ramos para lembrar os devotos da Salette do País, dos 2 Estados e do Município.

A celebração foi oportunidade para Dom Adimir, que assumiu a Diocese de Erexim há pouco mais de dois meses, fazer sua primeira visita ao Santuário da Salette daquela cidade. No início de sua homilia, disse que é muito bom estar na casa da Mãe que revela compaixão, ternura e amor por todos os seus filhos e filhas. Referiu-se à sua aparição às crianças Maximino e Melânia há 174 anos em Salette, França, transmitindo pedido de reconciliação do povo com Deus a ser transmitido a todos, razão pela qual é chamada de Reconciliadora dos pecadores. Ela se manifestou porque o povo se havia distanciado de Deus por diversos motivos. Observou que hoje o mundo está aflito pela pandemia que causa dor, angústia e mortes, mas está também marcado pelo descuido com as coisas de Deus. Neste contexto, a mensagem da Salette ganha especial atualidade. Ressaltou que Maria continua sofrendo e chorando por amor a seus filhos e filhas, interpelando-os a se voltarem para o seu Filho. À luz das leituras e do evangelho da celebração, destacou que ela participa plenamente do projeto salvador de Deus. Exortou a pedir à Mãe da Compaixão que interceda por todos junto a seu Filho e desejou que, com os irmãos saletinos, se possa, vencida a pandemia, celebrar os 175 anos de sua aparição em Salette com a participação maciça de seus devotos.

Íntegra da homilia de Dom Adimir

1.      Saudação: Pe. Renoir – Reitor do Santuário; demais padres, diáconos, noviços, consagrados (as), devotos e fiéis presentes neste Santuário (em número limitado devido à pandemia), fiéis que nos acompanham pelas redes sociais, ouvintes das rádios e outros meios de comunicação.

2.      Com grande alegria venho pela primeira vez a este Santuário de Nossa Senhora da Salette aqui em Marcelino Ramos. Como é bom estar na casa da mãe que se revela cheia de compaixão no seu grande amor para com todos os seus filhos e filhas e sua ternura que toca profundamente nossos corações.

3.      HÁ 174 anos, no dia 19 de setembro de 1846, Maria aparece a duas crianças chamadas Maximino e Melânia que pastoreavam rebanhos nos Alpes Franceses, em La Salette, na França. Eles se depararam com uma “Bela Senhora” que se encontrava chorando, o que teria chamado mais a atenção dos pequenos.

4.      Foi então que se aproximaram dela, que por sua vez, através de suas lágrimas de reconciliação, transmitiu um pedido para que fosse posteriormente difundido aos demais: eram palavras de conversão, de chamada de atenção, de Amor e Reconciliação. Por isso, Nossa Senhora da Salette é considerada a Mãe Reconciliadora de todos os pecadores.

5.      O contexto da Aparição de Maria na França era de um povo que se havia distanciado de Deus, blasfemava, que não guardava mais o domingo e que não vivia o mandamento do amor a Deus. Tomados pelas preocupações do mundo esqueciam-se das coisas de Deus. Maria sofre e quer a conversão de seus filhos. Por isso pede a reconciliação.

6.      Hoje, embora aparentemente distante daquele momento, o mundo vive a realidade da pandemia marcando uma história de dor, de sofrimento, de angústia, de incertezas e de morte. Mas marcado também por um descuido das coisas de Deus quando preocupados demais com o mundo material, com o econômico e o bem estar social. Uma sociedade individualista, autossuficiente e prepotente que acaba se dobrando diante de uma guerra silenciosa e invisível: a pandemia do coronavirus.

7.      É neste contexto também, que a mensagem de Nossa Senhora da Salette se torna mais do que nunca atual. Chama-nos para uma conversão. Chama-nos para a importância da vida como dom de Deus; para o valor da pessoa humana; dos relacionamentos sinceros; do valor da solidariedade; do valor do tempo para o outro e para Deus. Mais humanidade e menos materialismo. Mais família e comunidade e menos individualismo. Mais saúde e menos vícios. Mais paz e menos violência. Mais vida e menos morte.

8.      Maria continua sofrendo e chorando por amor de seus filhos e filhas que somos todos nós. Maria nos interpela a uma volta para seu Filho Jesus que espera ser amado e reconhecido como Senhor da vida e da história e acima de tudo como o único sentido de nossa existência. Espera que o amor de Deus manifestado em seu Filho Jesus seja assumido na mesma medida entre os seres humanos.

9.      Na liturgia de hoje, vemos em Maria a serva do Senhor que unida a seu Filho Jesus participa da obra da redenção em favor de toda a humanidade. Ela é a Arca da aliança firmada com a humanidade para estabelecer um novo começo com todas as criaturas. Ela é o sinal visível de um Deus que fez aliança com seu povo como nos narra a leitura do livro do Gênesis, mas que vai além de um simples sinal, torna-se espaço, torna-se instrumento de Deus que se encarna para renovar e salvar a humanidade, pois como nos reforça também a segunda leitura que, se estamos em Cristo, somos uma nova criatura. Em Cristo somos reconciliados com Deus. E Paulo nos interpela dizendo: “deixai-vos reconciliar com Deus”.

10.   Maria participa plenamente do projeto salvador de Deus quando se abre e diz sim para acolher o Mistério da Encarnação. Um sim dado em cada passo de Jesus, um sim dado até a realização da Redenção no alto da cruz. Maria participa da dor de seu Filho Jesus e dada por Mãe da humanidade, assume também as dores de todos e por isso quer também salvar de todos, conduzindo-nos a seu Filho Jesus.

11.   Ao celebramos estes 174 anos da aparição de Nossa Senhora da Salette e a invocarmos como reconciliadora dos pecadores, supliquemos que ela, Mãe da Compaixão, se compadeça de todos nós seus filhos e filhas, intercedendo junto a seu Filho Jesus, a graça que necessitamos para trilharmos um caminho de santidade, imitando Maria e seguindo Jesus, solidários com nossos irmãos e irmãs mais sofredores, compartilhando também dos sofrimentos de Maria que há tanto tempo sofre por nós e há tanto tempo nos pede conversão.

12.   Com nossos irmãos Saletinos, vivamos o Ano Mariano para celebrarmos juntos no próximo ano, com a graça de Deus e a superação da pandemia, os 175 anos da Aparição de Maria em La Salette na França e sua presença amorosa de Maria no meio de nós.

13.   Com o coração confiante lembramos o que repetimos na Oração:

Lembrai-vos, ó Nossa Senhora da Salette, das lágrimas que derramastes por nós no Calvário. Lembrai-vos também, dos cuidados que, sem cessar, tendes por vosso povo, a fim de que em nome de Cristo, se deixe reconciliar com Deus. Reconfortados por vossa ternura, ó Mãe, eis-nos aqui suplicantes; Não rejeiteis nossa oração, Ó Virgem Reconciliadora, mas volvei o nosso coração para o vosso Filho. Alcançai-nos a graça de amar Jesus acima de tudo. Amém!

Dom Adimir Antonio Mazali

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais