Aprovada Lei que institui a Comissão Permanente de Análise e Execução dos Procedimentos de Parcerias

O Município, através de Projeto de Lei Executivo, aprovado no Plenário da Casa Legislativa, nesta segunda-feira, 20, institui a Comissão Permanente de Análise e Execução dos Procedimentos de Parcerias do Município e cria Gratificações de Serviço.

Desta forma, fica instituída a Comissão Permanente de Análise e Execução dos Procedimentos das parcerias entre a Administração Pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público e recíproco.

Entre as atribuições está a instauração de expedientes, apoio, acompanhamento e avaliação da execução das parcerias celebradas pela Administração Direta ou Indireta, cujas atribuições serão voltadas para o aprimoramento dos procedimentos, da padronização de objetos, custos e indicadores, unificação dos entendimentos, priorização do controle de resultados e avaliação e homologação dos relatórios técnicos de monitoramento.

Também está a verificação das propostas apresentadas pelas Organizações da Sociedade Civil ou elaboradas pela Administração Pública Municipal, destacando a viabilidade econômica e o interesse público vinculado à proposta e o controle e organização dos chamamentos públicos de projetos propostos pelas Secretarias Municipais.

Ficam criadas, portanto, 03 Gratificações de Serviços, no valor mensal de R$ 1.127,06 para atender ao funcionamento da Comissão Permanente de Análise e Execução dos Procedimentos das parcerias entre a Administração Pública e as organizações da sociedade civil.

Inicialmente, a Lei n.º 13.019/2014, mais conhecida como Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, entrou em vigor na data de 23 de janeiro de 2016 na União, Estados e Distrito Federal, e nos municípios, no dia 1.º de janeiro de 2017.

Com isso, passou a ser estabelecido um novo regime jurídico das parcerias entre a administração pública e as organizações por meio de novos instrumentos jurídicos, sendo eles os termos de Fomento e de Colaboração, no caso de parcerias com recursos financeiros, e o Acordo de Cooperação, no caso de parcerias sem recursos financeiros.

A Implementação da Lei Federal n.º 13.019/2014 estimula a gestão pública democrática nas diferentes esferas de governo e valoriza as organizações da sociedade civil como parceiras do Estado na garantia e efetivação de direitos. No que se refere a esfera municipal, as parcerias entre o Município e as organizações da sociedade civil qualificam as políticas públicas, aproximando-as das pessoas e das realidades locais.

As organizações da sociedade civil apontadas na Lei são entidades privadas sem fins lucrativos, ou seja, que desenvolvem ações de interesse público e não têm o lucro como objetivo. Tais organizações atuam na promoção e defesa de direitos e em atividades nas áreas de direitos humanos, saúde, educação, cultura, ciência e tecnologia, desenvolvimento agrário, assistência social, moradia, dentre outras.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais