Eleições 2018 – Alto Uruguai: 63,3% dos eleitores com ensino superior são do sexo feminino

No total, região tem 15.766 eleitores que concluíram a graduação. Outros 9.230 estão cursando o ensino superior

Do universo de 182.827 eleitores do Alto Uruguai, apenas 8,6% (15.766) já concluíram o ensino superior – média inferior ao registrado em termos de Brasil, que tem 9,2% de seu total de 13,57 milhões de eleitores formados.
E, se não fossem as mulheres da região, este número seria ainda pior, pois elas respondem por 63,3% do total de eleitores com diploma no Alto Uruguai (em termos de Brasil, o índice é de 60,7%).
Ou seja, por aqui, elas estudam ainda mais: há quase 2 mulheres formadas contra apenas um homem.
A diferença, contudo – e infelizmente, ainda não chegou à atuação política – segmento dominado por homens (com menor escolaridade, como se vê), que seguem responsáveis, na média, por conduzir o executivo e preencher as vagas no legislativo.

Estação tem maior percentual de eleitores formados
No levantamento realizado pelo Instituto SL/ISPO de Pesquisa, tendo como base os dados o site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/RS), Estação desponta como o município com o maior número percentual de eleitores com formação superior: 11,6% – sendo que as mulheres representam 60% deste total. Logo atrás aparecem Sertão (11,5%, com as mulheres representando 63%) e Campinas do Sul (11,3% – mulheres 61%). Erechim está na 9ª posição deste ‘ranking’, com 9,3% dos eleitores com ensino superior completo, sendo 63% do sexo feminino.
Considerando apenas a participação das mulheres na composição do ‘grupo com diploma’, chama atenção Carlos Gomes e Erebango, onde o sexo feminino responde por 74% deste universo. Em Benjamin Constant do Sul, que tem o pior desempenho geral entre todas a cidades (com 3,5% dos cidadãos com ensino superior), pelo menos elas fazem a sua parte, representando 72% deste contingente.
A seguir, confira o levantamento completo.

Você sabia?
Se as mulheres são maioria no ensino superior, o Censo Escolar 2017 mostra que o acesso à educação básica revela outra realidade. Das 48,6 milhões de matrículas neste segmento, 49,1% são do sexo feminino. Ou seja, perde-se (por motivos diversos) mais meninos/homens do que meninas/mulheres pelo (des)caminho do ensino. O mesmo levantamento mostra que as mulheres representam 80% dos professores dessa etapa.

 

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais