Cadê a oposição na Câmara de Vereadores?

Muitos eleitores de nossa cidade vêm questionando se realmente existe oposição na Câmara de Vereadores. Muita gente tem a certeza de que o que menos o prefeito Luiz Francisco Schmidt precisa fazer é se preocupar com a oposição. Em parte eu concordo com esses munícipes, essa deve ser a legislatura mais boazinha para o governo nas últimas três décadas, ao menos pelo que venho acompanhando desde que cheguei a Erechim, nos meados dos anos 80.
Segundo um membro do governo recentemente me relatou, o governo está mais preocupado com alguns vereadores da situação do que da oposição. Ou seja, o porto seguro do governo não está na situação, mas sim na oposição, e isso que ela é maioria na Câmara de Vereadores.
Recentemente, em jantar com alguns empresários, eu observava que a oposição está mais preocupada em eleger o presidente do Legislativo. E neste jantar, precisei concordar com alguns empresários quando disseram que nos primeiros 18 meses do governo Schmidt, que estava paralisado e com um monte de problemas, a oposição ficou totalmente calada. E agora que começou aparecer as obras do governo, a oposição não tem o que fazer.
O Schmidt conseguiu neutralizar a oposição e a partir de agora o que resta do atual mandato é discutir o novo presidente da Câmara de Vereadores e os cargos da mesa diretora. Os projetos do governo que podem ter maior dificuldade para passar pela aprovação são os do secretário Leandro Basso, que na última legislatura foi o maior opositor da administração Polis, ou seja, deve acabar provando do seu próprio veneno. De resto, Schmidt não precisa perder o sono com a oposição.

 

Por Egidio Lazzarotto

Comentários estão fechados.