O que inibe empresas interessadas em Erechim: terrenos supervalorizados, falta de incentivo fiscal ou dificuldade na negociação?

Acredito que muitas pessoas já ouviram a história de alguém que investiu num terreno que “não valia nada” e depois de 10 anos o mesmo valorizou 15, 20 vezes, ou está valendo até 50% a mais. Esse assunto é corriqueiro e ainda mais comum, quando envolve empresas que buscam áreas para consolidar seu negócio. Toda vez que o tema é debatido nos microfones da Cultura FM, as opiniões são divergentes. Conforme algumas lideranças e o próprio prefeito Luiz Francisco Schmidt, em entrevista, os valores elevados dos terrenos são o maior empecilho para empresas fixarem suas atividades em Erechim. “O grande problema é o custo dos imóveis, poucas cidades têm os terrenos tão valorizados quanto o nosso município. Automaticamente pune Erechim quanto ao desenvolvimento”, destacou Schmidt.

Duas empresas desejam fixar suas atividades em Erechim

Além da Havan, que desde julho de 2017 está olhando terrenos no município, o prefeito revelou que existem duas empresas de porte médio que também desejam fixar suas atividades por aqui. Uma delas refere-se ao polo metal mecânico e a outra seria uma prestadora de serviço. Além destas “cento e poucas empresas tem vontade de se estabelecer no Distrito Industrial ou no polo comercial da cidade. Atualmente, 16 grupos catarinenses que acreditam na potencialidade do mercado regional e também de Erechim, investiram aqui e queremos prosperar, buscando resultados melhores”, acrescentou Schmidt.

“Alguns proprietários imaginam que seu imóvel vale mais do que o preço de mercado”

Em conversa com o sócio-proprietário da Serrana Imóveis, Tiago Sirena, também foi possível constatar outro viés do assunto. “Se alguém buscar um terreno na região central, os preços realmente serão elevados, pois quem é proprietário de uma área central dificilmente baixa o valor em uma negociação. Porém, se a busca for por terrenos fora da área central, exemplo para indústrias, as opções são boas e com valores mais acessíveis. Quanto ao mercado de nossa cidade, existem sim proprietários que imaginam que o seu imóvel vale mais do que o preço de mercado”.

Empresas migram para municípios vizinhos

Além do elevado valor dos terrenos, apontado por Schmidt, especula-se que a falta de incentivo fiscal também tem influenciado a saída de empresas de Erechim ou as levado a instalar parte de seus parques fabril em municípios vizinhos, por falta de espaço para armazenar a produção, dentre outros motivos. Para entender melhor este contexto basta observarmos ou visitarmos o Distrito Industrial de Barão de Cotegipe, muitas empresas preferiram se estabelecer por lá. Três Arroios há poucos dias comemorou a inauguração da maior empresa no município, em área, faturamento e geração de empregos. Uma beneficiadora de vidros. A empresa vai gerar inicialmente, mais de 50 empregos diretos e aproximadamente 200 indiretos. Foi investido no projeto, entre obras e equipamentos, o valor aproximado de 12 milhões de reais. Outro exemplo claro foi a instalação da Lactalis, empresa láctea, em Gaurama, e tantas outras, como do ramo de pneus e metalurgia, que optaram por municípios próximos.

Por Carla Emanuele 

 

Comentários estão fechados.