“Queremos salvar vidas e também a economia local”, explica prefeito Polis

O prefeito de Erechim, Paulo Polis, o vice-prefeito Flávio Tirello e o secretário Geral de Governo, Edgar Marmetini, receberam no fim da tarde deste domingo (21), representantes do comércio e indústrias para falar sobre a classificação do município em bandeira preta e os protocolos que devem ser seguidos. A classificação feita pelo governo do Estado, no modelo de distanciamento controlado, na última sexta-feira (19), não há possibilidade de cogestão, devido aos índices de internações hospitalares em UTIs nos hospitais que são referencia na região.

Estiveram presentes no encontro o presidente do Conselho de Desenvolvimento de Erechim (CODER), Mário Cavaletti, a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Erechim, Rosângela Spiazzi Truylia, o presidente da Associação Comercial, Cultural e Industrial de Erechim (ACCIE), Fábio Vendruscolo e o assessor jurídico do Sindicato do Comércio Varejista do Alto Uruguai Gaúcho (Sindilojas), Alexandre Lyrio.

CODER, CDL, ACCIE e Sindilojas pedem que o prefeito Polis leve ao governador Eduardo Leite, a busca de uma alternativa para atuação de um percentual mínimo no comércio, para que lojistas que não se enquadraram em itens essenciais, não deixem de faturar durante o período de restrições. As regras da bandeira preta, passam a valer oficialmente na terça-feira (23).

O prefeito, que também é presidente da Associação de Municípios do Alto Uruguai (AMAU), vai participar de uma reunião com o governador na manhã de segunda-feira (22), junto com outros presidentes de associações do Estado. O prefeito Polis disse que vai levar as demandas ao governador, e que sim, também está preocupado com o comércio. “Diante do cenário, nos cabe acatar as determinações do Estado, mas podemos sugerir alternativas para não penalizar totalmente o comércio. Queremos salvar vidas e também a economia local”, destaca.

Situação hospitalar

O grupo também se colocou a disposição para ajudar na luta para aumentar a estrutura hospitalar. Hoje, o Hospital Santa Terezinha, referencia SUS na região, está com os 10 leitos de UTIs ocupados. O vice-prefeito Flávio Tirello, explicou que a situação não se trata só em abrir leitos, já que os hospitais contam com estrutura e equipamentos para isso, mas que o déficit nesse momento é de profissionais. “Os médicos intensivistas e profissionais da linha de frente estão esgotados e não estamos conseguindo contratar novas equipes para poder abrir mais números de leitos”, explica. O prefeito Polis garantiu que deve haver credenciamento para pelo menos quatro novos leitos já neste início de semana. “Vamos abrir dois novos leitos no Santa Terezinha e de dois a quatro novos leitos no Hospital de Caridade, que também é muito importante no atendimento para casos da Covid-19”, finaliza.

Por Assessoria de Comunicação