Falta de chuva prejudica olericultura na região do Alto Uruguai

A região do Alto Uruguai continua enfrentando problemas com a falta de água causada pela longa estiagem. Na semana passada, na região, choveu uma média de 20 milímetros, não alterando a situação da falta de água nas propriedades, rios e riachos. O clima quente e frio, com grande amplitude térmica, também tem prejudicado a produção de olericultura. As folhosas ficam mais fibrosas, com tamanho reduzido. Na cultura da alface, por exemplo, as perdas de alguns agricultores chegaram a 80%, devido ao ataque de pragas e doenças (trips, vira cabeças), conforme levantamento do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, realizado em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr).

No momento, os olericultores continuam com dificuldades de água para irrigar seus cultivos e priorizam a irrigação de algumas culturas, abandonando outras, enquanto aguardam a chuva.

Na região, o tomate gaúcho já se encaminha para o final de ciclo, com preços em torno de R$ 4,50 o quilo, e o tomate longa vida é comercializado à média R$ 3,50 o quilo. Também estão em final de ciclo o pepino e a vagem. No momento, o repolho e o brócolis estão se desenvolvendo bem.

Em relação aos temperos e outras hortaliças, também estão melhorando o desenvolvimento com relação ao verão, devido às temperaturas mais amenas, já que o cultivo ocorre em área irrigada. Muitos produtores estão com pouca disponibilidade de água. A falta de chuva faz que os olericultores atrasem o plantio nas áreas fora das estufas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais