Sutraf-AU emite nota sobre Reforma da Previdência Social do Governo Bolsonaro

Na tarde desta quarta-feira (20) o Sindicato Unificado dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Alto Uruguai – SUTRAF-AU, emitiu nota se posicionando sobre a Reforma da Previdência Social do Governo Bolsonaro.

 

O Sindicato Unificado dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Alto Uruguai – SUTRAF-AU, historicamente se constituiu na defesa da categoria Agricultura Familiar protagonizando pautas, discussões, mobilizações e lutas para garantir os direitos a melhores condições de vida para agricultores e agricultoras familiares da região, estado e país.

A Previdência foi uma conquista de 1988, com a ampliação dos direitos existentes e conquistas de outros que fizeram a diferença para os trabalhadores brasileiros. Podemos citar entre eles a aposentadoria rural para mulheres aos 55 anos de idade e para os homens aos 60 anos, com remuneração de 1 salário mínimo. Ainda foram conquistados salário maternidade, auxilio doença, acidente de trabalho e pensão por morte.

Nos últimos dois anos de governo Temer, lutamos incansavelmente pela manutenção destes direitos. Foram diversas mobilizações, acampamentos, caminhadas, trancamento do INSS a fim de sensibilizar a sociedade dos malefícios daquela proposta. As mobilizações e pressão nos parlamentares conseguiram evitar que a reforma prosperasse.

Neste dia 20 de fevereiro de 2019, o governo Bolsonaro apresenta novamente uma Reforma da Previdência com medidas que prejudicam mais ainda a sociedade afetando diretamente a agricultura familiar. Aquilo que já afirmávamos como especulação, no dia de hoje se concretizou e o governo apresentou propostas que retrocedem e muito no tempo.

As principais medidas que afetam a agricultura familiar, dizem respeito a:

  • Aumento da idade de aposentadoria das mulheres de 55 para 60 anos;
  • Contribuição por grupo familiar estipulado por lei. Até lá às famílias que não atingirem R$ 600 (seiscentos reais) de contribuição anual através do Funrural terão que complementar com pagamento extra.
  • Aumento da contribuição de 15 para 20 anos
  • Diminui a pensão que hoje é de 100% do salário para 60%.

Manifestamos nosso total repúdio a essas propostas, enfatizando que nenhuma reforma que seja realizada no sentido de aumento de trabalho e diminuição do poder aquisitivo do agricultor pode melhorar a condição da agricultura familiar. Essa reforma atinge em cheio aos direitos já conquistados, penalizando toda a agricultura familiar, mas especialmente as mulheres. O propósito dessa reforma é tirar dos mais pobres para entregar aos grandes bancos que cobram juros exorbitantes da população brasileira, já que não incluiu na reforma os grandes salários e nem propõe cobrança das grandes empresas que devem para Previdência Social.

Por outro lado, conclamamos toda agricultura familiar a se manifestar contra essas propostas, cobrando postura dos deputados e senadores eleitos, dos prefeitos municipais, dos vereadores, das entidades do comércio, indústria e prestação de serviços. Pois a reforma atinge primeiro os agricultores e agricultoras familiares, mas depois certamente atingirá os pequenos municípios com a precarização da qualidade de vida.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais