Falta de comunicação gera desgaste entre vereadores e governo municipal

Na manhã desta quarta-feira (20) em entrevista a Rádio Cultura, o grupo de vereadores, Eni Scandolara, André Jucoski, Renan Soccol e Claudemir Araújo, que até o momento compõem a base do governo, expressaram sua posição quanto ao fato de estarem se tornando vereadores independentes.

“Muitos projetos bons que são apresentados por nós, não são levados adiante por não sermos secretários”, declarou Araújo. O descontentamento do grupo se deve ao fato de não haver um canal de comunicação entre os vereadores e o atual governo. “Talvez não conhecêssemos a essência do nosso administrador, o que queremos é uma conversa direta com ele, precisamos mostrar o que está sendo feito e isso não acontece”, disse Eni.

O vereador André Jucoski explicou: “cansamos de subir as escadas para pedir divulgação, para tentar conversar sobre os rumos que Erechim vai tomar, mas falta transparência, queremos participar das decisões importantes, ninguém nos questionou sobre o que pensamos a respeito da Corsan, falta diálogo, precisamos saber onde queremos chegar. Nós somos o para-choque de todas as cobranças, queremos construir uma cidade melhor para todos”.

A falta de diálogo tem gerado muitas situações desagradáveis, o que justifica a independência dos vereadores.  “A falta de comunicação gerou esse desgaste e fez com que a situação chegasse a esse ponto, não vamos nos tornar oposição, mas não seremos mais base, vamos trabalhar para o melhor do nosso município. Nesses dois anos não conseguimos estabelecer vínculo com o Governo, então não tem mais razão de sermos base”, declarou Soccol. Para Araújo o prefeito está cercado de amigos, nem todos competentes, “a ciumeira entre as secretarias, um querendo derrubar o outro só prejudica a gestão, se quer manter o amigo mas ele não tem competência, ao menos encosta alguém competente do lado”.

Ao ser questionada se continuará sendo líder do governo, Eni salientou já ter entregue o pedido ao prefeito. “Quanto ao pedido estou aguardando que o prefeito nomeie alguém. Vale lembrar que não estamos rompendo com o governo, mas precisamos de comunicação, nossa finalidade é ser agentes participativos”.

Araújo expressou sua indignação ao dizer que a oposição tem mais voz do que a situação. “Nós que lutamos e ajudamos a eleger o governo não somos ouvidos, ele tem que defender os seus, não os outros. PSDB, PDT, PP e PTB tem cargos no governo e é merecido, errado é quem era contra o governo agora pedir cargo.”

Ao final da entrevista os vereadores fizeram suas considerações:

“Esperamos do Governo Municipal um espaço para discussão séria dos projetos do município, sofremos retalhações diárias, queremos ser ouvidos, construir o melhor para o município, sentar e debater. Hoje o maior desafio de um gestor é gerir um grupo de pessoas da melhor forma, é isso que precisa acontecer” , declarou Jucoski.

“Precisamos que nos escutem mais, que percebam que temos muito a contribuir”, disse Renan Soccol.

“Espero que isso seja um choque para a atual administração, em 2020 não adianta chorar pelos erros cometidos pois será tarde. Essa conversa teria que ter sido realizada entre quatro paredes, mas se fez necessário que fosse dessa forma para que fossemos ouvidos” expressou Araújo.

“Talvez o Prefeito não esteja dando ouvidos a quem gosta e quer o bem dele, nosso sentimento é de quem não está inteirado dos assuntos, de quem não sabe os rumos que estão sendo tomados, queremos ter o tratamento que precisamos para evoluir”, finalizou Eni.

Por Da Redação

 

Comentários estão fechados.