A coligação com o eleitor ‘comum’

Embora o MDB ainda não tenha definido oficialmente seu candidato a deputado federal para o pleito de outubro, o cheiro de vitória de Paulo Polis na disputa com Vanei Maffissoni (empresário de Marcelino Ramos) é presente.

Caso confirme o favoritismo, o ex-prefeito de Erechim entra na eleição com reais chances de obter uma cadeira em Brasília, recolocando o Alto Uruguai no cenário político nacional depois de 20 anos (o último representante local eleito foi Waldomiro Fioravante, PT, em 1998).

Polis tem o cheiro de povo e a ambição necessária para chegar lá.

Bem articulado e dono de um governo com boa aceitação, Polis – para garantir o mandato – terá, contudo, que alcançar com sua proposta de trabalho e comunicação o eleitor comum – senhor dos votos e da eleição.

Em 2018, a principal coligação de Paulo Polis deve ser com o cidadão, do campo e da cidade, e não com eventuais raposas políticas.

# O compromisso de destinar 100% das emendas parlamentares a que os deputados têm direito (algo em torno de R$ 17 milhões por ano) para os municípios do Norte Gaúcho deve ser um dos diferenciais de campanha de Polis na tentativa de transformar o pleito numa espécie de prévia para o voto distrital, que passará a valer em 2022.

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais