Seminário de Iniciação Científica da URI premia melhores trabalhos

Um espaço de socialização, conhecimento e integração de pesquisa e extensão entre a URI e outras instituições de ensino superior do país e do exterior. Assim foi o XXIII Seminário Institucional de Iniciação Científica da URI (SIIC), realizado neste ano pelo câmpus de Erechim na quarta-feira, 18, e que reuniu mais de 800 acadêmicos e professores. Paralelamente também aconteceram o XXI Seminário de Integração de Pesquisa e Pós-Graduação e o XV Seminário de Extensão.
        Após um dia intenso de troca de conhecimentos, todos os participantes foram reunidos no Salão de Eventos, onde aconteceu a cerimônia de encerramento. O professor Luiz Hepp, do Curso de Ciências Biológicas, apresentou o projeto de divulgação científica “A Folha”, desenvolvido por acadêmicos com o objetivo de apresentar pesquisas e resultados de forma dinâmica e simples.
        Em seguida, a Diretora Acadêmica, Elisabete Maria Zanin, fez uma homenagem ao ex-professor do câmpus, Nédio Piran. Ele desenvolveu suas atividades de professor e pesquisador por mais de 40 anos, ministrando diversas disciplinas e publicando livros e capítulos de livros. A entrega de uma placa em homenagem ao professor foi feita pelo Diretor-Geral, Paulo José Sponchiado, e o coordenador de área de Ciências Humanas, Carlos da Silva.
        O SIIC encerrou com a premiação dos destaques de Iniciação Científica e Extensão:

Iniciação Científica

– Breno Capeletto de Freitas, do câmpus de Erechim, com o trabalho sobre “A Conciliação e a (in)efetividade da Resolução 125 do CNJ enquanto política pública nos Centros Judiciários de Solução de Conflitos instalados na Comarca de Erechim”, com orientação da professora Giana Lisa Zanardo Sartori.
– Francine Padilha, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Estudo da Influência do Uso Endurecedores Superficiais na Dureza Superficial de Concretos Empregados em Pisos”, com a orientação da professora Cristina Vitorino da Silva.
– Juliana Andriolli Ribeiro, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Determinação de toxicidade do extrato bruto de uvaia (Eugenia pyriformis Cambess) por ensaio in vitro com artemia salina”. A orientação foi da professora Silvane Souza Roman.
– Maiane Bury de Oliveira, do câmpus de Erechim, com o trabalho: “Ephemeroptera (Insecta) como bioindicadores de condições ecológicas em riachos de Mata Atlântica”. A orientação foi da professora Rozane Maria Restello.
– Samuel Vargas Munhoz, do câmpus de São Luiz Gonzaga, com o trabalho “Acessibilidade na URI São Luiz Gonzaga – A construção de uma universidade acessível a todos”. A orientação foi da professora Lizandra Andrade Nascimento.
– Tatiane Fontana Ribeiro, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Soluções espectrais para problemas envolvendo taxas de variação formulados por equações integrais”, com orientação do professor Carmo Henrique Kamphorst.
– Raiane Candaten, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Dialogismo: estudo das vozes discursivas e dos processos interlocutivos nos gêneros notícia e artigo de opinião”, tendo como orientadora Marinês Ulbrik Costa.
Extensão
– Andressa Arboit Fritzen, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em Agroindústrias do Alto Uruguai”, tendo como orientadora a professora Clarice Steffens.
– Carléia Juliana da Veiga, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Estado Nutricional e Educação Alimentar com gestantes de uma Unidade Básica de Saúde de Erechim”, tendo como orientadora a professora Gabriela Pegoraro Zemolin.
– Iara Souza da Rosa, do câmpus de São Luiz Gonzaga, com o trabalho “Observatório de estudos culturais & diversidades: uma história recente que cresce a cada dia”, tendo como orientadora a professora Sonia Regina Bressan Vieira.
– Sabrina Burin, do câmpus São Luiz Gonzaga, com o trabalho “Orientação Profissional: projeto de vida”, com a orientação da professora Lizandra Andrade Nascimento.
– Guilherme Henrique da Silva, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Música no ambiente hospitalar: uma possibilidade de proporcionar alegria e ludicidade na internação”. A orientação foi da professora Juliane Cláudia Piovesan.
– Rafaela Martinelli da Costa, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Trilhas interpretativas: uma prática para a educação ambiental”, com orientação da professora Cláudia Felin Cerutti Kuhnen.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais